21:07 23 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Os soldados da Guarda Nacional dos EUA trabalhando nos computadores

    Oficial da Marinha dos EUA pode responder à Corte Marcial por compartilhar nude de colega

    © AP Photo / Ted S. Warren
    Américas
    URL curta
    230

    Um oficial das Forças Armadas pode se ver de frente a uma Corte Marcial por conexão com o escândalo de compartilhamento de fotos de mulheres militares nuas. Um colega foi despedido pelo mesmo caso, investigado desde em março.

    A senadora democrata Kirsten Gillibrand questionou o comandante do Corpo de Fuzileiros Navais, Robert Neller, em uma audiência do Comitê de Serviços Armados do Senado sobre as últimas atualizações sobre o escândalo em torno do grupo privado de 30 mil membros no Facebook.

    Neller disse aos congressistas investigadores identificaram 65 suspeitos no escândalo e que 59 foram encaminhados aos seus comandos para possíveis ações disciplinares ou administrativas. Dos 59, sete receberam punições não judiciais, 20 receberam "ações administrativas adversas", e um oficial foi afastado de serviço. O caso mais grave é de um indivíduo que pode responder à Corte Marcial por delitos relacionados ao grupo.

    O comandante disse ainda que as investigações não acabaram.

    Relembre

    Em março, um veterano da Marinha informou que tropas e veterinários estavam usando o grupo "Marines United" no Facebook para compartilhar fotos explícitas de mulheres, incluindo veteranos e civis. Em dado momento, segundo as investigações, uma relação sexual entre um membro e uma mulher foi transmitida ao vivo no grupo.

    A modelo de tatuagens e ex-oficial da Marinha, Elle Audra, afirma ter sofrido assédio sexual enquanto serviu às Forças Armadas e escreveu em uma publicação em que denunciava o objetivo do grupo: degradar e humilhar as tropas femininas. Para Audra, o escândalo ilustra   perfeitamente a "mentalidade de cultura de violação e violação sexual" dos fuzileiros navais.

    "Sempre foi prática comum e as mulheres têm medo de falar sobre assédio, agressão sexual ou violência doméstica. É um problema", escreveu ela.

    Na sequência do escândalo, os legisladores da Câmara aprovaram por maioria esmagadora um projeto de lei que criaria uma nova lei militar, tornando ilegal compartilhar fotos nuas sem primeiro obter o consentimento da pessoa retratada.

    Tags:
    Corte Marcial, Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos, Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, Comitê de Serviços Armados do Senado, Marinha dos EUA, Facebook, Elle Audra, Kirsten Gillibrand, Robert Neller, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar