19:43 19 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Polícia isola a cena do tiroteio, ocorrido em Alexandria, Virgínia, EUA, 14 de junho de 2017

    Trump: atirador de Virgínia foi eliminado e congressista não corre perigo de vida

    © REUTERS/ Mike Theiler
    Américas
    URL curta
    0 317 0 0

    O congressista norte-americano Steve Scalise ficou gravemente ferido durante um ataque no estado de Virgínia, mas agora ele está fora de perigo, no hospital, com mais dois feridos, informou o presidente dos EUA, Donald Trump, em um comunicado pela TV.

    "Scalise foi atingido e ficou gravemente ferido. Agora o seu estado é estável. Duas outras pessoas também receberam ferimentos", disse Trump.

    Na manhã desta quarta-feira, em Alexandria, cerca de 11 quilômetros ao sul da Washington, um homem abriu fogo contra um grupo de pessoas, entre as quais estava o líder dos republicanos na câmara dos representantes, Steve Scalise, e outros congressistas, segundo informou a emissora Fox News.

    O tiroteio aconteceu durante um evento da câmara dos representantes. No momento do ataque, Scalise e seus assessores estavam treinando em uma quadra de beisebol. 

    Segundo a emissora, Scalise foi ferido na coxa. No total, pelo menos cinco pessoas ficaram feridas, segundo o deputado Mo Brooks disse à CNN.

    Segundo Washington Post, a polícia conseguiu identificar o atirador. O suspeito do ataque é James Hodgkinson, de 66 anos, residente na cidade de Belleville, no estado de Illinois.

    A imprensa informou que Hodgkinson era dono de uma empresa do ramo de inspeções em residências, cuja licença expirou em novembro de 2016 e não foi renovada. Em abril de 2006, ele foi acusado de agressão, mas as acusações foram retiradas. A polícia ainda investiga os motivos do ataque em Virgínia.

    Telegram

    Siga Sputnik Brasil no Telegram. Todas as notícias mundiais do momento em um só canal. Não perca!

    Tags:
    agressão, atirador, tiroteio, James Hodgkinson, Steve Scalise, Donald Trump, Alexandria, Virgínia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik