23:43 15 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Vodca

    Marca de vodca tenta lucrar com suposta relação de Trump com a Rússia (FOTO)

    © AFP 2019 / BEN STANSALL
    Américas
    URL curta
    130
    Nos siga no

    Uma campanha publicitária feita por uma marca de vodca está dando o que falar nos Estados Unidos, tanto dentro quanto fora das redes sociais.

    Em um dos seus anúncios, a Smirnoff instalou em uma estação do metrô de Nova York um cartaz com a seguinte afirmação:

    “Feito nos Estados Unidos. Mas estaríamos felizes em falar sobre os nosso laços com a Rússia sob juramento”.

    A mensagem é uma clara referência ao convite feito pelo senador democrata Chuck Schumer ao presidente norte-americano Donald Trump, para que este seja ouvido sob juramento no Congresso para dar a sua versão sobre as suspeitas de que teria ligações com autoridades russas.

    Suspeita-se que tais ligações tenham favorecido Trump na corrida presidencial de 2016, quando Trump derrotou a candidata democrata Hillary Clinton.

    Logo após o depoimento do ex-diretor do FBI, James Comey, aos parlamentares que investigam a suposta conexão com a Rússia, Trump se disse disposto a depor sob juramento, afirmando ainda que Comey foi “muito covarde” em seu testemunho, quando disse que o presidente tentou interferir nas investigações que conduzia no FBI.

    A marca Smirnoff foi fundada em Moscou em 1864 por Piotr Smirnov que, após a Revolução de 1917, deixou a Rússia com a família, passando primeiro pela Europa e depois seguindo para os EUA. Lá ele fundou várias destilarias, que hoje pertencem à companhia britânica Diageo.

    Mais:

    Rússia e China desafiam o domínio militar dos EUA, diz secretário Mattis
    Senadores norte-americanos rejeitam proposta para proibir vodca russa
    Vodca Stolichnaya volta a pertencer à Rússia
    Tags:
    diplomacia, vodca, publicidade, marketing, política, FBI, Congresso dos EUA, Chuck Schumer, James Comey, Donald Trump, Piotr Smirnov, Rússia, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar