06:03 01 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    1 0 0
    Nos siga no

    Al Green, membro da Câmara dos Representantes do Senado norte-americano, tenta iniciar processo de impeachment do presidente dos EUA, Donald Trump. No entanto, sua iniciativa parece ser desprovida de esperança, escreve o jornal Hill.

    Alexander Green é um congressista afro-americano do estado do Texas. Segundo dados do jornal, Green está preparando uma acusação formal que, segundo espera, poderá se tornar a base do processo de impeachment de Trump no Congresso.

    Ambas as câmaras do Congresso possuem maioria republicana, sendo este o partido do presidente Donald Trump. Do ponto de vista formal, eles não são controlados por Trump, mas partilham seus princípios e, em geral, estão apoiando sua política mesmo havendo discordâncias.

    As acusações de Green são baseadas na demissão do diretor do FBI, James Comey, quem era responsável pela investigação da "interferência russa nas eleições presidenciais" e "contatos de Trump com a Rússia", que, assim como o Kremlin, são negadas pela Casa Branca quanto à existência de tais laços. Por sua vez, Comey acusou Donald Trump, através da mídia, de tentar impedi-lo de investigar alguns aspectos do caso em questão.

    "Os fatos são simples e irrefutáveis. O presidente demitiu o diretor do FBI por ele estar investigando as ligações entre a campanha presidencial [de Trump] e a Rússia, e a influência da última nas eleições presidenciais. Isso se trata de obstruir a justiça", de acordo com afirmação do congressista, citada pelo jornal Hill.

    No jornal é destacado que, na quarta-feira (7), Green planeja apresentar acusações contra o presidente dos EUA, Donald Trump, ao Congresso.

    O impeachment é um processo político-criminal instaurado por denúncia no Congresso para apurar a responsabilidade do presidente da República por grave delito ou má conduta no exercício de suas funções, cabendo ao Senado, se procedente a acusação, aplicar ao infrator a pena de destituição do cargo.

    Nos EUA, dois presidentes foram sujeitos ao processo de impeachment.  Mas depois foram justificados pelo Senado. Andrew Johnson, o 17 º presidente dos Estados Unidos foi destituído de seu cargo em 1868 por ter violado a Tenure of Office Act. O 42º presidente americano, Bill Clinton, envolveu-se em um escândalo sexual com sua secretária Monica Lewinsky. Porém a razão de impugnação de mandato não foi o escândalo, mas sim um falso testemunho de Clinton, confirmado por Monica.

    Além disso, em 1974, Richard Nixon, o 37º presidente do país, renunciou ao cargo para evitar um impeachment devido ao seu envolvimento no escândalo de Watergate.

    Mais:

    Trump vai ao Supremo para barrar migrantes de países de maioria muçulmana
    Quem impediu Trump de levantar as sanções contra a Rússia?
    Assad diz que Trump 'engoliu' a maioria das suas promessas pré-eleitorais
    Confirmado: Trump anuncia que EUA estão fora do Acordo de Paris
    Tags:
    demissão, justiça, interferência estrangeira, investigação, impeachment, acusações, FBI, Kremlin, Partido Republicano, Congresso, Casa Branca, James Comey, Donald Trump, Al Green, Rússia, Texas, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar