15:29 20 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    O novo presidente dos EUA Donald Trump na Casa Branca, Washington, 20 de janeiro de 2017

    Quem impediu Trump de levantar as sanções contra a Rússia?

    © AFP 2019 / JIM WATSON
    Américas
    URL curta
    819
    Nos siga no

    A administração de Donald Trump estava se preparando para levantar as sanções contra a Rússia após a investidura do novo presidente, mas diplomatas de carreira que faziam parte do governo anterior resistiram a este plano, informa o portal Yahoo News citando dois antigos altos funcionários do Departamento de Estado.

    Um deles, Daniel Fried, disse que seus colegas estavam "preocupados com a possibilidade de a administração Trump, a equipe entrante, levantar unilateralmente as sanções contra a Rússia" impostas após a crise na Ucrânia "sem pedir qualquer contrapartida" da parte de Moscou.

    Fried recusou-se a especificar de que colegas exatamente se tratou, mas disse que "considerou a história bastante credível".

    Outro diplomata, Tom Malinowski, ex-secretário de Estado adjunto para os Direitos Humanos, começou a fazer pressão sobre o Congresso para manter as sanções.

    De acordo com Malinowski, a equipe de Trump recuou quando percebeu que o levantamento das sanções seria terrível, dadas as revelações sobre a possível relação entre sua campanha e a alegada interferência russa nas eleições.

    "Teria sido uma vitória completa para Moscou", disse Malinowski.

    Um alto funcionário da Casa Branca confirmou que a administração tinha começado a explorar mudanças nas sanções contra a Rússia como parte de uma revisão da política mais ampla que ainda está em curso.

    Logo após a tomada de posse de Trump, o Departamento de Estado recebeu o pedido de elaborar opções para melhorar as relações com a Rússia em troca da cooperação russa na guerra contra a organização terrorista Daesh na Síria, de acordo com dois ex-funcionários.

    Essas opções incluíam o alívio das sanções, bem como a devolução de dois edifícios diplomáticos da Rússia, um em Long Island e outro na costa oriental de Maryland, fechados pelo presidente Obama no final de dezembro, sob o pretexto de que eles estavam sendo utilizados para a espionagem.

    Depois houve o escândalo envolvendo Michael Flynn, o assessor da Segurança Nacional, que apresentou sua demissão em fevereiro, reconhecendo ter discutido assuntos políticos, incluindo o alívio das sanções, no final de 2016 com o embaixador da Rússia nos EUA, Sergei Kislyak.

    Depois disso, "não demorou muito para perceber que se as sanções fossem levantadas, haveria uma tempestade política", disse Malinowski.

    Mais:

    Trump diz que 'fará frente à conduta destrutiva' da Rússia na Síria e Ucrânia
    Covfefe - um erro ou mensagem secreta aos russos?
    Ex-assessor de Trump se oferece para testemunhar sobre interferência russa em 2016
    Tags:
    guerra de sanções, Daesh, Donald Trump, Síria, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar