06:06 18 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Lançamento de um míssil dos EUA

    Especialista: não vale a pena buscar motivos políticos nos testes militares dos EUA

    © Foto / Departamento de Defesa dos EUA
    Américas
    URL curta
    213
    Nos siga no

    Na terça-feira (30), os EUA realizaram um teste bem-sucedido do seu sistema de defesa antimíssil. Neste contexto, o analista russo Viktor Murakhovsky comentou a situação a pedido da Sputnik, tendo afirmado que o teste representa um procedimento comum e não tem nada a ver com a intensificação da atividade militar da Coreia do Norte.

    Mais cedo, a Agência de Defesa de Mísseis norte-americana informou que os militares dos EUA testaram com sucesso um míssil interceptor, simulando um ataque de um míssil intercontinental (ICBM) que pudesse tentar atingir o país.

    O teste aconteceu sobre o Oceano Pacífico, em uma simulação do que poderia vir a ser uma tentativa norte-coreana de atacar os EUA com um míssil de longo alcance. Pyongyang já conduziu este ano 12 testes balísticos, dos quais três apenas nas últimas três semanas.

    "Eu lembro que esse sistema já existia na qualidade de projeto na presidência de Bill Clinton [1993-2001]. Esse programa inclui algumas fases que estão sendo pouco a pouco realizadas, por isso não vale a pena buscar motivos políticos [para os testes militares dos EUA]", explica o representante da comissão da indústria bélica, Viktor Murakhovsky.

    O especialista destacou que a primeira fase desse programa inclui a implantação de 50 interceptores com ogivas cinéticas, que serão capazes de interceptar até 10 mísseis balísticos intercontinentais (ICBM). Conforme indica a parte financeira do projeto, os EUA planejam alcançar esse objetivo em 2021.

    Racionalidade econômica

    Ao mesmo tempo, o analista militar russo apontou que as somas gastas por Washington com a criação desse sistema não correspondem às suas reais capacidades tecnológicas nesta área:

    "Tal possibilidade (de interceptar 10 mísseis balísticos intercontinentais simultaneamente) existe só em teoria. Se dermos uma olhada nos testes de ontem, é necessário entender que foram conduzidos em condições controladas de polígono: era sabido que míssil voaria e de onde, por isso eles [militares] estavam preparados para tudo, o que nunca acontece nas condições de uma guerra real. Por essa razão, gastar tais somas nesse sistema, em minha opinião, não é uma decisão racional", concluiu.

    Segundo dados de fontes abertas, o sistema de defesa antimíssil norte-americano GMD entrou em serviço em 2005. É destinado a interceptar mísseis balísticos e seus componentes de combate no espaço fora da atmosfera terrestre. Atualmente, 30 sistemas destes estão deslocados no Alasca e na Califórnia para proteger o território continental dos Estados Unidos. Além disso, planeja-se introduzir em serviço mais 15 sistemas até o fim de 2017.

    Mais:

    EUA testam com sucesso míssil capaz de interceptar ataque da Coreia do Norte
    Seul está investigando importação não autorizada de 4 lançadores de mísseis dos EUA
    NI: mísseis ar-ar russos e caças chineses são um problema para os EUA
    Kim Jong-un: queremos enviar mais 'presentes' para os EUA
    Tags:
    gastos militares, testes de mísseis, polígono de testes, custos, sistemas de mísseis, mísseis balísticos, financiamento, ICBM, Viktor Marakhovsky, Bill Clinton, Coreia do Norte, EUA, Washington
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar