17:14 30 Março 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    35612
    Nos siga no

    A situação na Venezuela pode "se converter em uma catástrofe", disse a representante do Ministério das Relações Exteriores russo, Maria Zakharova, na quarta-feira (31) durante uma coletiva de imprensa.

    "Estamos muito preocupados por os alvos dos ataques serem escolas, hospitais, o transporte público. Há casos de linchamento em relação a partidários do governo por parte da multidão enfurecida. Fazem-se tentativas de apoderar-se do arsenal das bases militares — é absolutamente inaceitável. Adolescentes e crianças são envolvidos nos tumultos — isso é, sem dúvida, vou repetir, absolutamente inaceitável", descreveu Zakharova a situação no país.

    Assim, Moscou chama o governo venezuelano e a oposição a iniciar um diálogo construtivo mediado para evitar que se desencadeie uma guerra de grande escala.

    "Estamos certos de que um diálogo construtivo entre o governo venezuelano e a oposição, mediado internacionalmente, é o melhor caminho para evitar que uma guerra generalizada se desencadeie, para começar a resolver na prática os problemas econômicos e sociais", afirmou Zakharova.

    "É importante que as forças de proteção da ordem e os militares não cruzem a fronteira, não deem um passo além do limite muito perigoso e ajam de acordo com as suas competências", adicionou a representante oficial da diplomacia russa.

    A Venezuela está envolta em protestos de massas desde abril, após a decisão do Supremo Tribunal de limitar o poder da Assembleia Nacional, onde a oposição tem a maioria. A decisão foi cancelada, mas os partidários da oposição saíram às ruas pedindo a demissão dos membros do Tribunal e eleições antecipadas.

    Mais:

    Oposição da Venezuela vai a extremos na véspera da convocação da Constituinte de Maduro
    Mesmo dividida, OEA busca solução para a crise da Venezuela
    Maduro acusa Trump de tentar ‘intervenção imperialista’ na Venezuela
    Tags:
    protestos, Maria Zakharova, Rússia, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar