12:45 14 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Militantes das FARC na Colômbia

    Governo da Colômbia e Farc prorrogam prazo para grupo guerrilheiro entregar suas armas

    © AP Photo / Rodrigo Abd
    Américas
    URL curta
    2 0 0

    A Colômbia e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) concordaram em prorrogar o prazo para que o grupo guerrilheiro entregue suas armas em 20 dias, afirmou o presidente Juan Manuel Santos nesta segunda-feira (29).

    O país andino e as Farc assinaram um acordo de paz no final do ano passado para acabar com mais de 52 anos de guerra. O conflito, que também inclui um grupo rebelde menor e gangues paramilitares, matou mais de 220 mil pessoas.

    O acordo prevê que os rebeldes passem a viver em campos especiais ao redor do país e entreguem todas as suas armas às Nações Unidas, que está supervisionando o processo de desmobilização.

    Os comandantes das Farc, no entanto, reclamaram que o período de entrega de 180 dias, que expira em 30 de maio, não seria suficiente devido aos atrasos na construção dos campos especiais.

    "Em um acordo conjunto com as Nações Unidas e as Farc, concordamos que a entrega dos armamentos não vai terminar amanhã como foi planejado, mas em vez disso dentro de 20 dias", disse Santos em um discurso transmitido pela televisão local.

    Cerca de 7.000 rebeldes vivem nos 26 campos de desmobilização desde o início do ano. Alguns comandantes serão processados ​​em tribunais especiais por crimes de guerra, mas a maioria dos combatentes receberá anistia e apoio do governo para se reintegrar à sociedade.

    Mais:

    Colômbia: serial killer é condenado a 36 anos de prisão por 8 feminicídios
    Presidente da Colômbia: 'Revolução Bolivariana na Venezuela fracassou'
    Bogotá exige explicação de Caracas sobre incursão de tropas venezuelanas na Colômbia
    Presidente da Colômbia e seu rival deverão explicar pagamentos recebidos da Odebrecht
    Colômbia aprova criação de tribunal especial para julgar crimes de guerra
    Tags:
    Nações Unidas, FARC, Juan Manuel Santos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik