02:30 13 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Bandeira nacional de Cuba em Havana

    Casa Branca felicita Cuba pelo 'Dia de Independência', mas Havana a ridiculariza

    © flickr.com / Chris Pawluk
    Américas
    URL curta
    1781
    Nos siga no

    O governo cubano criticou o presidente dos EUA, Donald Trump, por sua mensagem "polêmica" e "ridícula" de felicitações por ocasião do Dia da Independência de Cuba no sábado (20). O feriado já não é comemorado pela nação e Havana disse que Trump está "mal informado" sobre a situação na ilha.

    Trump enviou no sábado aos cubanos os seus "mais calorosos desejos de felicidade" por ocasião do antigo Dia da Independência Cubana, referente a 20 de maio de 1902, quando o país deixou de ser uma colônia espanhola após a guerra Hispano-Americana. Cuba deixou de celebrar o feriado em 1959, depois de o líder revolucionário Fidel Castro ter proclamado a vitória da Revolução Cubana.

    "O povo cubano merece um governo que defenda pacificamente os valores democráticos, as liberdades econômicas, as liberdades religiosas e os direitos humanos, e minha administração está empenhada em alcançar essa visão", disse Trump no comunicado da Casa Branca.

    Trump também lembrou José Martí, nacionalista cubano do século 19, ativista e escritor. "Ele nos lembra de que o cruel despotismo não pode extinguir a chama de liberdade nos corações dos cubanos e que a perseguição injusta não pode acabar com os sonhos dos cubanos para que seus filhos vivam livres da opressão", disse o presidente.

    Em uma ação rara e incomum, o governo cubano respondeu, publicando mais tarde sua própria declaração classificando as observações de Trump como "ridículas" e "controversas".

    A declaração do governo, lida na televisão nacional cubana, informou Trump de que, em 20 de maio de 1902, Cuba deixou de ser uma colônia espanhola apenas para se tornar uma "neocolônia dos ianques", e permaneceria assim até 1 de janeiro de 1959, dia da vitória da Revolução Cubana.

    Quanto a José Martí, a declaração disse que o presidente norte-americano não parece entender que Martí era o mais anti-imperialista de todos os cubanos.

    Cuba celebra oficialmente o Dia do Triunfo da Revolução em 1 de janeiro e o Dia da Independência em 10 de outubro, marcando o dia de 1868 em que o "Pai da Pátria" cubano Carlos Manuel de Céspedes libertou seus escravos e iniciou uma guerra de independência contra a Espanha.

    No início deste mês, a Casa Branca anunciou que estava realizando uma "revisão abrangente" da política em relação a Cuba. O antecessor de Trump, Barack Obama, presidiu a um esforço para restabelecer os laços diplomáticos, mas o novo governo ameaçou reverter o progresso, citando as supostas violações de direitos humanos cometidas pelo governo cubano.

    Mais:

    Brasil negocia com Cuba: Volta doutor!
    'Iskander russos seriam ameaça para OTAN só se estivessem em Cuba'
    Cuba e EUA fecham parceria para combate ao narcotráfico e ao terrorismo
    Tags:
    Fidel Castro, Donald Trump, EUA, Cuba
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar