03:09 26 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Tanque T-14 Armata na Praça Vermelha de Moscou durante a Parada da Vitória

    EUA testam meios para 'esconder' seus tanques dos T-14 russos

    © Sputnik / Mikhail Klimentyev
    Américas
    URL curta
    9217

    Os militares dos EUA começaram a testar a nova camuflagem que, segundo os analistas, tem como objetivo proteger seus tanques dos carros de combate T-14 russos.

    Os militares do Segundo Regimento da Cavalaria das forças norte-americanas na Europa receberam na semana passada os novos sistemas móveis de camuflagem Barracuda. 

    A Barracuda surge para esconder os veículos dos sensores infravermelhos e radares. 

    ​A camuflagem Barracuda é uma espécie de "uniforme" para os veículos de combate. Ela se parece com a malha de camuflagem realizada "sob medida". O tecido especial absorve a radiação térmica do veículo e impede a reflexão dos raios de radar. 

    Vários analistas estão convencidos de que os norte-americanos decidiram "vestir" o seu material bélico com o propósito de evitar ser detetado pelo T-14 Armata, tanque único russo de terceira geração. 

    "Desde que (os T-14 Armata) entraram em serviço, os norte-americanos entenderam que os russos fizeram progressos significativos no domínio e começaram a tomar medidas. Anteriormente a camuflagem Barracuda era utilizada pelos blindados britânicos", explicou Vitaly Moiseev, analista militar citado pelo jornal russo Izvetia

    O T-14 Armata é o tanque de terceira geração. Ele é desenvolvido com base na plataforma universal pesada criada recentemente que permite construir tanques, veículos de combate de infantaria, veículos para a construção, veículos blindados de transporte das tropas, bem como outro equipamento técnico.

    Mais:

    Novo tanque francês Leclerc poderá concorrer com Armata russo? (FOTO, VÍDEO)
    Novo tanque russo Armata deixa para trás análogos mundiais (VÍDEO)
    Tags:
    camuflagem, defesa, material bélico, militares, tanque, desenvolvimento, Europa, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar