04:10 16 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Presidenciável democrata Hillary Clinton ouve enquanto ela é anunciada em um comício de campanha em Las Vegas, em Nevada, EUA, em 2 de novembro de 2016

    Hillary Clinton está construindo 'grupo político' para contrariar planos de Trump

    © REUTERS / Brian Snyder
    Américas
    URL curta
    21212

    A ex-candidata presidencial democrata Hillary Clinton está supostamente ocupada com a criação de um novo grupo, destinado a financiar organizações capazes de azedar as propostas de Donald Trump e partidários do republicano.

    "A ex-secretário de Estado está construindo um novo grupo político para financiar organizações que trabalham na resistência à agenda do presidente Donald Trump, passando as últimas semanas em Washington, Nova York e Chappaqua, NY, encontrando-se com doadores e grupos potenciais de investimento e recrutando indivíduos para o conselho de administração do grupo", escreveu o Politico nesta sexta-feira citando várias fontes com o conhecimento do assunto.

    O grupo deve se chamar Onward Together e será realizado na semana que vem, informou a porta-voz ao veículo, acrescentando que a equipe de Clinton se recusou a comentar o assunto. Os rumores do retorno político de Clinton têm circulado na mídia desde o início do ano.

    "Estou certo de que Trump vai estragar (as coisas) o suficiente para que, no outono de 18, os números de Hillary voltem a subir", disse o ex-governador da Pensilvânia e presidente dos Democratas, Ed Rendell, ao Politico apenas alguns dias após a posse de Trump.

    Curiosamente, em meados de março, o editor-chefe da WikiLeaks, Julian Assange, twittou que a ex-candidata presidencial democrata estaria tramando o impeachment de Trump, substituindo-o pelo vice, Mike Pence.

    ​Clinton teria declarado privadamente que Pence é previsível, portanto, derrotável, Assange twittou.

    Falando à Sputnik em março, o jornalista investigativo e analista de Wall Street, Charles Ortel colocou em dúvida essa possibilidade, acrescentando, entretanto, que os adversários políticos de Trump provavelmente continuarão a atacar o presidente dos EUA.

    "Gostaria de pensar que o cenário de 'House of Cards' sugerido por Assange e outros está longe de ser viável, embora eu não tenha dúvidas de que muitos membros do establishment democratas e republicanos, na mídia, na Academia e na burocracia  governamental ficariam encantados em derrotar o presidente Trump, de uma forma ou de outra", disse Ortel ao Sputnik.

    A previsão de Ortel mostrou-se correta: como o jornalista russo Viktor Marakhovsky observou em seu recente editorial para a RIA Novosti, uma "guerra civil fria" encoberta está em andamento entre o governo Trump e o establishment político e de mídia dos EUA.

    Além disso, durante sua última entrevista com a apresentadora da CNN, Christiane Amanpour em um evento Women for Women, Hillary Clinton culpou o diretor do FBI James Comey e os tais "hackers russos" pela derrota na corrida presidencial, chamando a vitória de Trump de "meramente acidental".

    "Se a eleição tivesse sido no dia 27 de outubro, eu seria sua presidente", insistiu Clinton.

    O The Washington Times comentou sobre a nova empreitada de Hillary.

    "Hillary Clinton, após uma pausa de seis meses na vida pública, está surgindo para liderar um grupo de resistência, 'Onward Together', que visa inteiramente eliminar as políticas do presidente Donald Trump e derrubar a agenda republicana. Você pode dizer Fundação Clinton, deja vu?' ", escreveu Chumley.

    Segundo o jornal, Clinton está chamando a iniciativa de "tomada de fundos políticos".

    "A Fundação Clinton também era uma operação de angariação de fundos — supostamente, para financiar programas que 'melhorassem a vida das pessoas em todo o mundo', como diz o site, mas como muitas vezes acontece quando os Clinton se encontram com o dinheiro, as boas intenções correm mal", acrescentou Chumley.

    Mais:

    Donald Trump 'retalia' e exige investigar laços da sua ex-rival Hillary Clinton com Rússia
    História alternativa: o que aconteceria se Hillary Clinton tivesse ganhado?
    Coincidência? Genro de Hillary encerra fundo de altíssimo risco após derrota da sogra
    Tags:
    House of Cards, The Washington Times, Onward Together, Fundação Clinton, Clinton Foundation, RIA Novosti, Politico, CNN, Sputnik, WikiLeaks, Christiane Amanpour, Viktor Marakhovsky, Charles Ortel, Ed Rendell, Mike Pence, Donald Trump, James Comey, Hillary Clinton, Julian Assange, Chappaqua, Wall Street, Nova York, Washington
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik