06:55 27 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    943
    Nos siga no

    O conselheiro principal da Casa Branca e genro de Donald Trump, Jared Kushner, se verificou ser parceiro de negócios do multibilionário George Soros.

    Segundo a edição The Wall Street Journal, a empresa Cadre, de que Jared Kushner é cofundador, atraiu empréstimos no valor de 1 bilhão de dólares e um quarto deles foi emprestado por Soros.

    Anteriormente, Jared Kushner não comunicou ter negócios com Soros. A promoção na carreira de Kushner na Casa Branca coincide com as mudanças na retórica de Trump sobre a Rússia e OTAN.

    Kushner e Soros

    A empresa Cadre possui um capital de 100 milhões de dólares e foi fundada pelo Kushner, seu irmão e um seu parceiro de negócios. George Soros foi o investidor deste projeto logo no início dele, além de Soros, outros 19 jogadores do mercado investiram na empresa, incluindo o banco famoso Goldman Sachs.

    Os projetos de Kushner não sairiam dos limites do aceitável se a imagem de Soros não fosse usada na campanha eleitoral de Trump. O então futuro presidente usou ativamente a imagem do magnata chamando-o de seu adversário principal, personificando o mundo financeiro hostil ao eleitor comum.

    Soros, por sua vez, não só aderiu à campanha de Hillary Clinton, à qual ele deu 13 milhões de dólares para a campanha, como também chamou Trump publicamente de embusteiro. Esta declaração levou para um novo nível o conflito entre os bilionários.

    Justificações pouco convincentes

    Estes laços entre o genro de Trump e seu adversário principal podem causar um prejuízo tão grande à imagem da administração do presidente atual, como as acusações de amizade com a Rússia.

    Para os americanos da direita e extrema-direita, Soros, de 86 anos de idade, é o representante típico da política de esquerda liberal que, segundo eles, se destina a destruir os valores tradicionais. Kushner e sua equipe logo tentaram se justificar. A advogada do genro de Trump, Jamie Gorelick, disse que seu cliente "diminuiu" sua participação na empresa Cadre e, além disso, pediu a demissão do conselho de administração. No entanto, é claro: ele não rompeu os laços com Soros.

    Em fevereiro e março de 2017, na mídia surgiram informações sobre um alegado conflito na Casa Branca entre Jared Kushner e o ex-ideólogo principal de Donald Trump, Steve Bannon. De acordo com esses relatos, Kushner expulsou Bannon do círculo de Trump. Em abril de 2017, esta informação foi confirmada indiretamente, o ex-ideólogo principal perdeu seu lugar no Conselho de Segurança dos EUA. De acordo com a informação que vazou para a mídia, Bannon disse a Kushner que "entre nós não pode haver nenhum acordo, porque um de nós é um republicano e o outro – um democrata". De democrata Bannon chamou Kushner.

    Com a influência crescente de Kushner, vale lembrar a informação sobre a decisão de Trump de realizar o ataque contra a base aérea síria ter sido tomada por influência da sua filha Ivanka. O marido dela é o mesmo Jared Kushner.

    Mais:

    Ivanka Trump paga apenas US$ 1 por hora aos seus trabalhadores chineses
    Senado norte-americano quer confiscar celular de Trump por causa de seus tweets
    Sem apoio do próprio partido, Trump sugere mudar regras de votação do Senado dos EUA
    Tags:
    negócios, mídia, campanha eleitoral, eleições presidenciais, Hillary Clinton, Donald Trump, George Soros, Jared Kushner, Ivanka Trump, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar