00:03 26 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Henrique Capriles, líder da oposição venezuelana

    Oposição venezuelana não apoiará convocação de Constituinte no país

    © REUTERS / Marco Bello
    Américas
    URL curta
    Presidente contra Parlamento: Constituinte venezuelana (7)
    2984

    A oposição venezuelana não reconhece a decisão do presidente Nicolás Maduro de convocar uma Assembleia Constituinte.

    Um dos principais líderes oposicionistas no país, Henrique Capriles, declarou que considera que Maduro tenta "matar a constituição".

    "As pessoas — vão para as ruas contra a fraude constitucional que acaba de ser anunciada pelo ditador Maduro e para desobedecer tal loucura! Nós, os venezuelanos, não aceitaremos a continuação do golpe de Maduro… O ditador Maduro e sua liderança corrupta de drogas querem matar a constituição da República Bolivariana da Venezuela. Eles não serão capazes de fazer isso!", Capriles escreveu em sua página no Twitter na segunda-feira.

    "Estamos chamando a atenção dos governos democráticos do mundo, a opinião pública internacional de que Maduro está consolidando o golpe e aprofundando a grave crise", escreveu Capriles em sua página no Twitter na segunda-feira.

    No início do dia, Maduro anunciou sua decisão de convocar a Constituinte. De acordo com o artigo 347 da Constituição venezuelana, o povo venezuelano é a fonte de poder, que pode ser exercida através da Assembleia Nacional Constituinte, que pode ser chamada para mudar o sistema de governo e criar a nova Constituição.

    Tema:
    Presidente contra Parlamento: Constituinte venezuelana (7)

    Mais:

    Protestos na Venezuela somam mais de 1,5 mil detidos
    Uruguai não apoia o uso da cláusula democrática contra a Venezuela, afirma Tabaré Vázquez
    Venezuela: cansaço político augura possível golpe militar
    Tags:
    Constituição da Venezuela, Twitter, Assembleia Nacional Constituinte da Venezuela, Nicolás Maduro, Henrique Capriles, República Bolivariana da Venezuela, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar