12:12 22 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Os simpatizantes de Obama assistem a uma apresentação de vídeo antes de o presidente proferir sua mensagem de despedida no McCormick Place, em Chicago, em 10 de janeiro de 2017.

    Em sintonia com Trump: maioria dos americanos aprova ataque contra a Síria

    © AP Photo/ Kiichiro Sato
    Américas
    URL curta
    Ataque norte-americano contra base aérea síria (82)
    26121216

    A maioria dos norte-americanos apoia a decisão do presidente Donald Trump de atacar a base aérea na Síria, segundo uma sondagem do centro de pesquisas Pew Research.

    Segundo o centro, entre os norte-americanos que paticiparam da pesquisa, 58% aprovam a decisão do presidente dos EUA de lançar mísseis contra a base aérea em resposta ao alegado uso das armas químicas pelo presidente sírio Bashar Assad. 36% dos respondentes são contra, outros 6% não se definiram.

    Na noite de 7 de abril, os EUA lançaram mísseis contra a base aérea síria, mas ainda não apresentaram quaisquer provas.

    Entretanto, a maioria dos respondentes (61% contra 32%) acredita que Trump não tem um plano definido de solução da crise síria.

    Entre os que duvidam da existência de tal plano está o senador democrata Ruben Gallego.

    "Que estratégia estamos seguindo? Qual é o nosso objetivo final? Para que desferimos o golpe?", escreve Gallego no Twitter.

    Ao mesmo tempo, as pessoas se dividem quanto ao destino dos sírios que sofreram da escalação do conflito.

    "47% dos norte-americanos acham que os EUA devem acolher os refugiados sírios e quase o mesmo número (48%) não está de acordo (5% não se definiram)", diz a pesquisa.

    Um membro da Câmara dos Representantes dos EUA, Seth Moulton, encontrou contradições na postura do presidente norte-americano nesse respeito:

    "Então, o presidente cuida do povo sírio bastante para lançar 50 Tomahawks, mas não o bastante para deixar as vítimas de Assad encontrar refúgio e tornarem-se livres aqui [nos EUA]", disse Seth Moulton no Twitter. 

    Segundo outra pesquisa realiada pela organização YouGov, 21% dos norte-americanos estão a favor da participação indireta dos EUA na crise síria. Em particular, os respondentes acreditam que os EUA devem "reforçar o apoio à oposição armada pró-ocidental na Síria sem se envolverem diretamente".

    Apoio dos ex-adversários

    Muitos congressistas que tinham sido contra Trump apoiaram desta vez o ataque contra a base síria.

    Entre eles, o senador da Flórida Marco Rubio, ex-adversário de Trump na corrida eleitoral, aprovou as ações do chefe de Estado na Síria, afirmando que a Rússia "não poderá criticar de maneira adequada e justa os EUA pelo ataque".

    "O presidente Trump deu a entender a Assad que aqueles que o apoiam não poderão mais cometer crimes militares", diz o site oficial de Rubio.

    Outros adversários de Trump também o apoiaram.

    "Ao contrário da Administração anterior, Trump conseguiu adotar uma postura firme e tomar medidas eficazes em um momento crítico", disseram os senadores John McCain e Lindsey Graham. 

    Não entendem o essencial

    Muitos cidadãos dos EUA lembram que Donald Trump antes afirmava que, para atacar Síria, o presidente precisaria do consentimento do Congresso.

    Em particular, em 30 de agosto de 2013, Trump escreveu no Twitter:

    "Antes de iniciar ações militares na Síria, o presidente deve receber a aprovação do Congresso, caso contrário comete um erro crasso!"

    "É difícil entender o que está acontecendo na verdade. Cada mídia afirma algo que contradiz outras, parece que ninguém tem uma imagem clara. É difícil dizer o que Putin e Trump vão fazer… Mas não podemos acreditar em nenhuma informação divulgada nos EUA", disse ao canal RT um funcionário social de Minneapolis, Kerry Lassard.

    Tema:
    Ataque norte-americano contra base aérea síria (82)

    Mais:

    Trump: EUA não planejam intervenção militar na Síria
    Para quem Trump enviou aviso ao atacar Síria? Ministra da Defesa alemã responde
    Trump explica por que pista da base síria ficou intata
    Tags:
    sondagem, John McCain, Lindsey Graham, Marco Rubio, Donald Trump, Síria, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik