16:32 17 Julho 2018
Ouvir Rádio
    O presidente dos EUA, Donald Trump, fala ao lado do secretário de Estado, Rex Tillerson, durante uma reunião bilateral com o presidente da China, Xi Jinping, na propriedade de Trump, Mar-a-Lago, em Palm Beach, Flórida.

    Secretário de Estado dos EUA: 'Ataque com mísseis é mensagem para outros países'

    © REUTERS / Carlos Barria
    Américas
    URL curta
    81430

    O secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, disse em uma entrevista à rede de televisão ABC que os ataques com mísseis dos EUA contra uma base aérea da Síria trazem uma mensagem para qualquer nação que opere fora das normas internacionais.

    "Se você violar acordos internacionais, se você não cumprir seus compromissos, se você se tornar uma ameaça para os outros, em algum momento uma resposta provavelmente será empreendida", afirmou o secretário de Estado.

    A frase pode servir de alerta à Coreia do Norte, para onde os EUA estão deslocando um grupo aeronaval de ataque da Marinha. Na entrevista, Tillerson disse que os avanços no programa de mísseis balísticos da Coreia do Norte preocupam os EUA.

    "Se julgarmos que eles aperfeiçoaram esse tipo de sistema de entrega, então isso se torna um estágio muito sério para o seu desenvolvimento posterior", disse se referindo ao míssil intercontinental supostamente desenvolvido pelo país de Kim Jong-un.

    Tillerson ainda expressou confiança quanto ao apoio da China às ações dos EUA na península coreana, dizendo que "até o presidente [chinês] Xi [Jinping] compreende claramente […] que a situação se intensificou e chegou a um certo nível de ameaça que a ação deve ser tomada".

    Mais:

    Coreia do Norte: Ataque dos EUA na Síria é 'imperdoável'
    EUA: a capacidade de reagir aos testes da Coreia do Norte está diminuindo
    Opinião: 'A guerra preventiva contra a Coreia do Norte pode ser a única alternativa'
    Tags:
    Departamento de Estado dos EUA, Rex Tillerson, Xi Jinping, Kim Jong-un, Síria, Estados Unidos, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik