16:34 17 Julho 2018
Ouvir Rádio
    O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu

    Netanyahu: 'Rússia e EUA devem cooperar na liquidação das armas químicas da Síria'

    © AFP 2018 / SEBASTIAN SCHEINER
    Américas
    URL curta
    32511

    O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, afirmou que existe uma oportunidade para a cooperação entre os EUA e a Rússia no desmantelamento do arsenal de armas químicas da Síria.

    O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, pediu hoje à comunidade internacional que ponha fim ao processo de desmantelamento do arsenal de armas químicas da Síria, acrescentando que ele vê possibilidades de cooperação entre a Rússia e os Estados Unidos nesta esfera.

    "Há uma obrigação internacional, que remonta a 2013, de remover todas as armas químicas da Síria. Como podemos ver, ela não foi totalmente implementada, e exortamos a comunidade internacional a levar o trabalho até o fim, e esta é uma oportunidade para relações entre os EUA e a Rússia nesta esfera particular", disse o primeiro-ministro

    Netanyahu ressaltou mais uma vez que Israel apoiou plenamente os ataques dos EUA contra o aeroporto da Síria, que veio como resposta ao suposto uso de armas químicas na província de Idlib, no início desta semana.

    "Eles se fundamentaram em bases morais à luz de cenas violentas de Idlib, e para deixar claro que o uso de armas químicas tem seu custo", acrescentou Netanyahu.

    Na noite de quinta-feira, os Estados Unidos lançaram 59 mísseis de cruzeiro Tomahawk no aeródromo militar em Ash Sha'irat. O presidente dos EUA, Donald Trump, disse que o ataque foi uma resposta ao suposto uso de armas químicas na província de Idlib, na Síria, na terça-feira, o que resultou na morte de mais de 80 pessoas, um incidente que Washington culpa ao governo sírio.

    O Ministério da Defesa russo disse na quarta-feira que o ataque aéreo perto de Khan Shaykhun pela força aérea síria atingiu um armazém terrorista que armazenou armas químicas previstas para entrega no Iraque e pediu ao Conselho de Segurança da ONU que lance uma investigação adequada sobre o incidente.

    O ministro das Relações Exteriores da Síria negou o envolvimento do governo no incidente de Idlib, afirmando que nunca usaria armas químicas em civis ou terroristas que operassem no país. Além disso, sob um acordo entre a Rússia e os Estados Unidos após o incidente com o gás sarin em 2013, Damasco aderiu à Convenção sobre a Proibição de Armas Químicas e concordou em destruir suas reservas sob a supervisão da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ).

    Em janeiro de 2016, a OPAQ anunciou que todas as armas químicas na Síria haviam sido destruídas.

    Mais:

    Trump pondera introduzir sanções contra Rússia por apoiar Síria
    Trump agradece apoio do líder sul-coreano aos ataques na Síria
    Lavrov: extremistas se beneficiaram com o ataque dos EUA contra a Síria
    Lavrov e Tillerson discutiram o ataque dos EUA à base aérea na Síria
    Tags:
    Tomahawk, Convenção sobre a Proibição de Armas Químicas, Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), Ministério da Defesa (Rússia), Conselho de Segurança da ONU, Benjamin Netanyahu, Ash Sha'irat, Khan Shaykhun, Estados Unidos, Idlib, Damasco, Síria, Israel, Washington, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik