06:11 23 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Líder opositor Henrique Capriles participa de protesto contra o presidente venezuelano Nicolás Maduro em Caracas

    Venezuela: Capriles acusa Maduro de querer matá-lo com ataque a bomba

    © AFP 2018 / FEDERICO PARRA
    Américas
    URL curta
    1938

    O opositor venezuelano Henrique Capriles, governador do estado de Miranda, afirmou que o escritório do seu partido, o Primero Justicia (PJ), foi alvo de um ataque com bombas neste sábado, após protestos contra o governo de Nicolás Maduro em Caracas.

    Acusando diretamente o presidente da Venezuela, o político da oposição disse que se algo acontecesse com ele, todos saberiam quem era o responsável. 

    "Qual é a ordem, Maduro? Nos matar? Se algo acontecer, já sabem quem é o responsável e sabem o que têm que fazer", disse ele, convocando seus apoiadores. 

    Pouco depois, Capriles divulgou uma nova mensagem dizendo que o atentado à sede do PJ não tinha provocado nenhuma vítima, uma vez que todos conseguiram sair a tempo. 

    Duas vezes candidato à presidência e um dos maiores nomes da oposição, Capriles informou ontem que havia recebido uma notificação da Controladoria Geral da República proibindo-o de exercer cargo público por um período de 15 anos por conta de irregularidades orçamentárias da sua gestão em Miranda.

    Mais:

    Venezuela pode ser expulsa do Mercosul
    Acusada de golpe, Venezuela cede à pressão e revoga decisão de intervir no Parlamento
    Opinião: Na Venezuela, pessoas estão sujeitas a 'guerra psicológica' da oposição
    Tags:
    bomba, atentado, protesto, oposição, Primero Justicia (PJ), Nicolás Maduro, Henrique Capriles, Miranda, Caracas, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik