00:35 19 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Soldados sauditas na fronteira entre a Arábia Saudita e o Iêmen

    EUA e Reino Unido continuam vendendo armas à Arábia Saudita apesar de crimes de guerra

    © AFP 2019 / AYEZ NURELDINE
    Américas
    URL curta
    16012

    Os EUA e o Reino Unido mantêm "relações confortáveis" com a Arábia Saudita que são incompatíveis com os valores de respeito pelos direitos humanos que eles alegam promover, disse o ativista pelos direitos humanos Peter Tatchell.

    Na semana passada, a polícia da Grã-Bretanha começou investigando as alegações sobre crimes cometidos pela Arábia Saudita no Iêmen. A unidade da Polícia Metropolitana SO15, que costuma investigar crimes da guerra cometidos na Segunda Guerra Mundial, agora virou sua atenção para a Arábia Saudita, comunica à Sputnik Internacional o ativista Peter Tatchell que ao mesmo tempo é o autor de uma petição para parar o fornecimento de armas à Arábia Saudita.

    "Foi feito um pedido para investigar as alegações que o major-general saudita Ahmed Al-Aziri é diretamente responsável pelos crimes de guerra cometidos pela Arábia Saudita no Iêmen", disse.

    "[Os crimes] incluem bombardeios indiscriminados de aéreas civis e uso de bombas de fragmentação. Assim, em evidência 'prima facie', a Arábia Saudita terá alegadamente cometido estes crimes, por isso é correto e adequado que a polícia metropolitana esteja investigando o caso", disse.

    Se a polícia iniciar o processo criminal, eles terão de reconstruir a cadeia de comando que realizou os ataques aéreos contra civis no Iêmen e esclarecer quem autorizou o ataque.

    "Depois eles vão esclarecer se a pessoa que ordenou os ataques em questão foi autorizada pelo ministro da Defesa saudita. Eles podem esclarecer a sucessão de ordens, revelar a documentação e evidências para ver se estes três graus diferentes foram instrumentos fundamentais desse crime de guerra, e então, em teoria, a polícia poderia emitir mandados de prisão internacionais contra os funcionários correspondentes", disse Tatchell.

    A unidade da Polícia Metropolitana SO15 está realizando "os exercícios de definição" em relação às alegações na véspera da visita da premiê britânica Theresa May para países do Oriente Médio, incluindo a Arábia Saudita, para reforçar as relações comerciais e na área de segurança.

    A Arábia Saudita é o maior parceiro comercial do Reino Unido no Oriente Médio e seu maior comprador de armas. Entre abril de 2015 e março de 2016, depois do início da campanha de bombardeios pela Arábia Saudita no Iêmen, o governo da Grã-Bretanha aprovou um acordo de exportação de armas para os sauditas no valor de £ 3,3 bilhões (R$ 12,8 bilhões).

    "Sem dúvida que [a possível investigação policial] é um enorme embaraço para Theresa May e para os sauditas. Eles gostariam que tudo isso desaparecesse e nós, como defensores de direitos humanos, sustentamos que a diplomacia e a política real não devem ignorar as preocupações com os direitos humanos."

    "É muito, muito importante cumprir as nossas obrigações na área dos direitos humanos. Assim, o fato de a Grã-Bretanha e os EUA terem relações tão estreitas com a Arábia Saudita é verdadeiramente chocante", disse o ativista.

    Mais:

    Tribunal pro-Houthi do Iêmen condenou o presidente do país à morte
    Bombardeios da coalizão matam mais de 100 civis no Iêmen só em março
    Rússia pode evitar que 'Iêmen se torne segunda Síria'
    Tags:
    direitos humanos, vítimas, crise humanitária, bombardeios, venda de armas, Theresa May, Oriente Médio, Reino Unido, Grã-Bretanha, Arábia Saudita, Iêmen
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar