03:12 23 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg (à direita), cumprimenta o secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, no encontro dos ministros da OTAN  em Bruxelas em 31 de março de 2017

    OTAN está elaborando meios para responder à 'agressão russa'

    © AFP 2017/ EMMANUEL DUNAND / AFP
    Américas
    URL curta
    111209314

    O secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, que inesperadamente deu uma entrevista aos jornalistas na véspera da cúpula dos chefes das chancelarias dos países membros da OTAN, declarou que a Aliança Atlântica irá discutir quais serão suas ações em resposta à "agressão russa".

    "Finalmente, queremos discutir a posição da OTAN na Europa, em particular na Europa do Leste, em resposta à agressão russa na Ucrânia e outros lugares", disse Tillerson apresentando a agenda do encontro.

    Ele apontou que "está muito feliz por assistir a esse encontro em Bruxelas" que foi adiado para 31 de março para que ele pudesse assisti-lo.

    O secretário de Estado lembrou que se irá tratar primeiramente da "existência de todos os recursos necessários para que a OTAN realize suas missões". "Em segundo lugar, queremos negociar meios para continuar o trabalho da OTAN no combate ao Daesh [organização terrorista proibida na Rússia], bem como outras ações antiterroristas que poderão ser realizados pela OTAN, e trazer a estabilidade ao Oriente Próximo", declarou.

    Além disso, ele destacou que "não consideramos que a OTAN deva desempenhar sempre o papel principal no combate ao terrorismo. Esse papel será frequentemente desempenhado por outros, incluindo governos nacionais, a coalizão internacional e a União Europeia".

    Moscou tem repetidamente declarado que a Rússia não é parte do conflito ou sujeito dos acordos sobre regulação da situação na Ucrânia, não presta apoio aos rebeldes e não envia suas tropas para Donbass. Ao mesmo tempo, Kiev continua acusando a Rússia de "agressão militar".

    Mais:

    Opinião: Aviões da OTAN são muito mais ativos do que os russos no Báltico
    Ucrânia será tema principal da primeira reunião entre Rússia e OTAN em 2017
    Tanques franceses Leclerc da OTAN serão deslocados na Estônia
    Opinião: Montenegro na OTAN será péssimo para os EUA e a Europa
    Tags:
    combate ao terrorismo, agressão russa, agressão militar, Cúpula da OTAN, UE, coalizão internacional, Daesh, OTAN, Rex Tillerson, Oriente Próximo, Bruxelas, Moscou, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik