03:35 24 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Presidenciável republicano Donald Trump (à esquerda) junto com a presidenciável democrata Hillary Clinton (à direita)

    Donald Trump 'retalia' e exige investigar laços da sua ex-rival Hillary Clinton com Rússia

    © REUTERS/ Mike Segar/File Photo
    Américas
    URL curta
    2130021

    O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, apelou para que o Comitê de Inteligência da Câmara dos Representantes investigue as ligações entre Hillary Clinton, bem como vários outros representantes do Partido Democrata, com Moscou.

    "Por que é que o Comitê de Inteligência [da Câmara dos Representantes do Congresso] não quer investigar um conluio de Bill e Hillary [Clinton], após o qual grande parte do urânio foi para a Rússia, o ‘reset' com a Rússia, os elogios de Hillary para a Rússia ou a campanha russa de Podesta [ex-chefe da campanha presidencial de Hillary]. A história sobre as ligações de Trump com a Rússia é uma fantasia", afirmou o chefe de Estado norte-americano na sua página do Twitter.

    ​Em fevereiro, o presidente dos EUA já acusou sua ex-rival na corrida presidencial de 2016, Hillary Clinton, de ter concedido à Rússia 20% do urânio americano.

    ​Durante sua campanha, Hillary Clinton, por sua vez, afirmou repetidas vezes que Trump teria ligações com Moscou. Este tema começou a ser repercutido de novo após a eleição de Trump como novo presidente dos EUA, enquanto Moscou foi acusada de ter "interferido" nas eleições americanas.

    A Rússia, por sua vez, tem negado esta informação dos serviços secretos americanos e assegurado que não pratica intervenções nos assuntos internos.

    Mais:

    Movimentos de Trump mostram sinais de problemas psicológicos? (VÍDEO)
    Inteligência dos EUA: 'Toda a vigilância nas Torres Trump era legal'
    Trump dirige não só América, mas também um caminhão (FOTOS, VÍDEO)
    Tags:
    laços secretos, eleições, Câmara dos Representantes, John Podesta, Hillary Clinton, Donald Trump, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik