09:10 23 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    US Air Force shows an F-117 Nighthawk stealth fighter

    Fundo de Emergência? Força Aérea dos EUA pede US$ 147 mi para construir jato secreto

    © AFP 2017/ USAF / US AIR FORCE
    Américas
    URL curta
    1013597511

    O projeto de "dominação aérea de próxima geração" da Força Aérea dos EUA (NGAD) revisou casualmente suas necessidades orçamentárias de 2017 - de US$ 20 milhões para US$ 167,8 milhões, informou a Defense News.

    O novo orçamento do presidente norte-americano, Donald Trump, inclui um forte aumento no financiamento do programa, que a Força Aérea diz que é vital para manter a superioridade aérea durante as próximas duas décadas. Os EUA têm inventado novas ameaças aéreas a um ritmo tórrido desde 2001, primeiro implantando o F-22 Raptor em 2005 antes de liberar o F-35 Joint Strike Fighter para combate em 2015.

    O serviço está "tentando fazer isso começar", disse o tenente General Arnold Bunch durante uma conferência em 22 de março. A Força Aérea dos EUA acredita que, investindo nas tecnologias certas, tomará decisões mais inteligentes no futuro, disse ele. Com esse investimento, a Força Aérea pode "tomar decisões inteligentes" e "desenvolver essas tecnologias em várias frentes".

    A administração do ex-presidente Barack Obama pediu que o relatório sobre a superioridade aérea 2030 seja concluído em 2017, de acordo com a Defense News. Quando a Força Aérea divulgou seu estudo ao público, pelo menos uma conclusão não surpreendeu: o programa exigiria mais fundos para "aderir a essa visão" da superioridade aérea até 2030.

    "Precisamos ter algo até o final da década de 2020", disse o general Alexus Grynkewich no ano passado, acrescentando que 2028 parecia ser um "cronograma realista" para "ter alguma operacionalidade inicial de uma capacidade de contra-ar (PCA)."

    O jato NGAD está planejado para eventualmente substituir o Boeing F-15 e Lockheed Martin F-22, informou a National Interest em outubro. O PCA tem dezenas de capacidades que incluem, além do jato, uma série de sistemas de logística; inteligência, vigilância e reconhecimento (ISR); e plataformas de comunicações.

    Mais:

    Força Aérea dos EUA alarmada com mísseis hipersônicos russos
    Será que não são capazes de combater? Força Aérea dos EUA tem falta dramática de efetivos
    Força Aérea dos EUA sofre com falta de pilotos
    Tags:
    F-35 Joint Strike Fighter, Boeing F-15, Lockheed Martin F-22, F-22 Raptor, Força Aérea dos EUA, Arnold Bunch, Alexus Grynkewich, Donald Trump, Barack Obama
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik