14:43 23 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Ex-combatente Armando González em um campo minado pelo exército argentino durante a Guerra das Malvinas

    Ex-combatente da Guerra das Malvinas: 'Voltei para onde deveria estar minha sepultura'

    © Sputnik / Nicolás Ayala
    Américas
    URL curta
    392
    Nos siga no

    Passados quase 35 anos após o conflito militar nas Malvinas, no qual se confrontaram a Argentina e o Reino Unido, o correspondente da Sputnik Mundo Nicolas Araya viajou às ilhas para revelar aos seus leitores as histórias dos veteranos argentinos que voltaram ao local para repensar todo o acontecido.

    Em 11 de março, o voo 993 da companhia aérea LAN efetuou uma viagem às Malvinas a partir da cidade argentina de Río Gallegos. A bordo seguiam homens silenciosos. É muito fácil detectar entre os passageiros aqueles que já lá estiveram, mas em condições muito diferentes. Nos rostos dos outros, ou seja, dos turistas, não se pode observar o mesmo — eles não têm memórias capazes de alterar seus traços faciais. Aqui estão sentados os soldados que regressam ao campo de batalha para participar de outro combate em busca de paz.

    "As Malvinas são o sentido da minha vida. Eu voltei para ver como elas estão passados 35 anos. É difícil descrever o que eu sinto. Desde a chegada que eu sinto paz e serenidade dentro de mim. A minha alma está precisando de um novo encontro com os fantasmas do passado. A ilha é espetacular", disse à Sputnik Mundo Armando González, um dos veteranos de 55 anos.

    Quando Armando tinha 20 anos de idade, ele participou do conflito armado nas Malvinas e serviu no 6º regimento de infantaria do povoado Mercedes, na província de Buenos Aeres.

    Porém, desta vez ele não veio só, mas acompanhado pelo filho Martín (36) que reconhece: para seus pais as Malvinas são algo de "muito doloroso".

    "Eu tenho muito orgulho do meu pai. Não é fácil sobreviver a tudo que passou. Agora eu tenho uma consciência melhor daquilo que ele teve que viver. A guerra acabou, mas sua vida não. Sempre houve obstáculos", explicou.

    A caminho de um dos lugares onde combateu, Armando afirma nunca ter imaginado que ele, como soldado, participasse da "última grande batalha entre cavalheiros".

    Ex-combatente da Guerra das Malvinas Armando González mostra um cartucho de bala encontrado no sítio onde lutou
    © Sputnik / Nicolás Ayala
    Ex-combatente da Guerra das Malvinas Armando González mostra um cartucho de bala encontrado no sítio onde lutou

    "Foi a última guerra entre países. Hoje em dia, os países lutam contra terroristas. É aquilo que nos torna diferentes dos outros militares contemporâneos", afirmou. "Eu não estou zangado nem com os militares argentinos, nem com os britânicos. Se eu desisti em algum momento, foi uma decisão minha. Nunca quis perder este sentimento de pertença", adiantou.

    Planejava-se que Armando fosse desmobilizado do exército argentino por lesões que adquiriu na sequência de queimaduras pelo frio e lesões dos ouvidos devido ao ruído de explosões.

    "Mas foi isso que me disse o médico que me tratava no hospital já depois das Malvinas: ‘Você já cumpriu seu dever. Não vale um soldado como você continuar sofrendo. Creia que já cumpriu sua missão", contou.

    O entrevistado também relembrou um episódio comovente que aconteceu durante o voo de Río Gallegos. Os veteranos de ambos os lados, esquecendo sua nacionalidade, se abraçaram uns aos outros e choraram.

    "Eles viveram os mesmos horrores da guerra que nós. No conflito houve um vencedor, mas na verdade todos perderam. Sofremos pelas mesmas razões. O resultado de tudo isso é que um conflito armado em qualquer parte do mundo não traz nada [de bom]", disse.

    A guerra, que se iniciou com o desembarque dos argentinos em 2 de abril de 1982, terminou em 14 de junho com sua capitulação. Foram 649 os argentinos e 225 os britânicos que morreram no conflito, segundo afirma o governo do Reino Unido. As ilhas têm estado ocupadas pelo Reino Unido desde 1833, e ao longo de todo este período a Argentina tem exigido o cumprimento dos seus direitos de soberania sobre o respectivo território.

    Ex-combatente da Guerra das Malvinas Armando González e seu filho Martín seguram a bandeira de um grupo de heróis do conflito na praia onde se defendeu o regimento
    © Sputnik / Nicolás Ayala
    Ex-combatente da Guerra das Malvinas Armando González e seu filho Martín seguram a bandeira de um grupo de heróis do conflito na praia onde se defendeu o regimento

    À medida que eles se aproximavam do lugar que Armando queria mostrar para seu filho, o ex-soldado se tornava cada vez mais disposto a falar. Ele contou sobre a guerra e como ela é para um jovem de 20 anos. De repente, ele levantou as mãos e disse que aquele era o lugar. O lugar onde deveria ter morrido.

    "Aquele avião lançou uma bomba e projétil de metralha contra nós. Eu não vi isso. De repente, tudo parou: o ruído, o vento, tudo. Silêncio absoluto. Eu perguntei a um soldado: ‘Você tá entendendo que se passa algo estranho? Não há ruído, deve acontecer algo ruim", partilhou ele, se recordando dos dias tenebrosos da guerra.

    De repente, se ouviu um estrondo e eles foram projetados vários metros. Ao voltar a si, ensurdecidos, eles olharam para trás e viram que os estilhaços como que lavraram a terra pelo meio dos cadáveres. "O projétil nos evitou. Esta deveria ser a nossa sepultura", contou.

    Mais:

    'Nenhuma aeronave britânica de uso militar com rumo às Malvinas, pode pousar na região'
    Argentina preocupada com voos militares britânicos a partir do Brasil para Ilhas Malvinas
    Representante russo na ONU: Se o Reino Unido quer consciência limpa, devolvam as Malvinas
    Made by Apple: 'emoji' das Malvinas com bandeira britânica causa indignação dos argentinos
    Tags:
    combatentes, guerra, Guerra das Malvinas, Argentina, Reino Unido, Malvinas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar