06:09 19 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    26717
    Nos siga no

    Enquanto o presidente dos EUA, Donald Trump diz que vai expandir o arsenal nuclear dos EUA, a National Interest reporta sobre o que isso representa para expectativas do setor no país.

    A publicação militar analisou a história das armas nucleares dos Estados Unidos e revelou por que o país tem esse arsenal, qual a sua função e quais são as expectativas de modernização para o futuro.

    Segundo o veículo, desde os tempos da Guerra Fria tem sido fortes diferenças entre os estrategistas norte-americanos sobre o propósito das armas nucleares no país.

    O passado

    A força nuclear dos EUA é o resultado de uma série de decisões com mais de 70 anos. No início da Guerra Fria, bombardeiros foram a espinha dorsal da defesa, uma vez que suas aeronaves eram superiores aos da União Soviética.

    Da década de 1950 até a década de 1960, tanto os EUA quanto a União Soviética diversificaram suas forças estratégicas e ambas as partes logo desenvolveram mísseis de longo alcance. Em seguida, em 1967, o arsenal dos EUA atingiu um pico de cerca de 32.000 armas, de pequenas bombas até grandes mísseis.

    Ao longo das décadas, a tríade nuclear — mísseis de terra, projéteis aéreos  submarinos — americana já não servia apenas para a sobrevivência e, cada vez mais, tornou-se uma opção para uso em uma variedade de cenários. Essa energia nuclear e suas múltiplas opções permanece, em grande parte, em uso hoje em dia.

    O presente

    A publicação questionou qual é o propósito do arsenal nuclear dos Estados Unidos na defesa nacional hoje em dia. 

    Embora o arsenal nuclear dos EUA é seja mais baixo do que era durante a Guerra Fria, ainda está configurado para um grande conflito nuclear com um adversário de igual força. 

    O país realizou três avaliações das suas forças nucleares (em 1994, 2002 e 2010) e concluiu em cada uma destas oportunidades que tinha que manter a tríade. A National Interest também questionou se a OTAN ainda precisa de suas armas nucleares táticas, uma vez que, de acordo com a publicação, "agora a Aliança Atlântica é convencionalmente o poder superior".

    O futuro

    Atualmente, o arsenal nuclear norte-americano enfrenta decisões difíceis sobre modernização, considera a publicação. A Força Aérea e a Marinha dos Estados Unidos estão desenvolvendo planos de fabricar novos bombardeiros e uma nova geração de submarinos, que representarão um "grande custo" para o país norte-americano.

    De acordo com a National Interest, como resultado da modernização, os EUA terão um arsenal tático ligeiramente menor do que durante a época da Guerra Fria. Mas, como sempre, a Rússia será usada como pretexto. De acordo com os meios de comunicação, a ideia de um arsenal deste tamanho seria impensável se não fosse para o "ressurgimento da Rússia como uma séria ameaça à segurança dos Estados Unidos", disse a publicação.

    Uma das tarefas da nova administração norte-americana é a realização sua própria revisão da postura nuclear do país. No entanto, os custos de modernização do arsenal americano estimado em centenas de bilhões de dólares, é necessário questionar se as estratégias anteriores e a estratégia nuclear norte-americana têm sentido, concluiu a revista.

    Anteriormente, o presidente dos EUA, Donald Trump, qualificou como "unilateral" o Tratado sobre Redução de Armas Estratégicas (START III) assinado com a Rússia e disse que vai expandir o arsenal nuclear dos EUA. A Rússia, por sua vez, se opõe fortemente que os EUA unilateralmente abandonem o mais recente START III.

    Mais:

    Inteligência dos EUA analisa capacidade da Rússia de 'sobreviver a ataque nuclear'
    Moscou revela o que espera da nova doutrina nuclear dos EUA
    Tags:
    Tratado sobre Redução de Armas Estratégicas, START III, Guerra Fria, Força Aérea dos EUA, Marinha dos EUA, The National Interest, OTAN, Donald Trump, Estados Unidos, União Soviética, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar