15:53 07 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Relatives of victims of the Pinochet regime and members of human right groups (File)

    Chile é condenado a pagar milhares de dólares a prisioneiro político de Pinochet

    © AFP 2019 / HAROLDO HORTA
    Américas
    URL curta
    0 31
    Nos siga no

    A Corte de Apelações de Santiago condenou o Chile a pagar US$ 153.000 a um ex-preso político da ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990) pelo encarceramento em vários centros de detenção clandestinos e submissão a procedimentos de tortura.

    "A sentença do tribunal de recurso estabelece que a vítima foi sujeita a tortura por agentes do Estado, fato que também foi verificado pela Comissão Valech (Comissão Nacional de Prisão Política e Tortura), constituindo um crime de humanidade reparável pelas vias criminais e civis", disse o Judiciário em comunicado.

    Memorial de músico Víctor Jara
    © REUTERS / Ivan Alvarado/File Photo
    A medida, que favorece o ex-preso político Ismael Lastra Goycolea, foi aprovada por unanimidade pela ministra Pilar Aguayo, pelo procurador Jorge Norambuena Carrillo e pelo advogado Jorge Norambuena Hernández, revogando a resolução de 1ª instância que dava ganho de caso ao Estado.

    A Corte decidiu que "é plenamente adequado compensar os danos morais sofridos pelo ator", porque "a existência de um ato ilícito, que também constitui um crime contra a humanidade, foi estabelecida".

    Os juristas decidiram em conformidade com o direito internacional humanitário, ao qual o Estado do Chile está ligado e vinculado, que especifica que as violações aos direitos humanos são crimes sem prescrição.

    Mais de 3 mil pessoas foram mortas pelo terrorismo de Estado e outros 1192 desapareceram durante a ditadura Pinochet.

    Mais:

    Em memória de Letelier: como os EUA ajudaram a matar rival de Pinochet
    Tags:
    Comissão Nacional de Prisão Política e Tortura, Jorge Norambuena Carrillo, Jorge Norambuena Hernández, Ismael Lastra Goycolea, Augusto Pinochet, Santiago, Chile
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar