01:37 02 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    0 13
    Nos siga no

    A presidente da Assembléia do Equador, Gabriela Rivadeneira, denunciou uma tentativa de assassinato ao receber em seu escritório um envelope que continha um explosivo que não detonou.

    "Rivadeneira recebeu em seu gabinete um envelope selado sem remetente, que continha um CD que provou ser um dispositivo explosivo de médio alcance e capacidade letal, de acordo com o relatório preliminar do Grupo de Intervenção e Resgate (GIR)", informou a Casa Legislativa por comunicado.

    Após a intervenção da Polícia Judiciária, da Criminalística e da Unidade Anti-Explosiva, o caso agora está nas mãos da promotoria "para esclarecimento dentro de 24 horas de flagrante", destaca o texto.

    Rivadeneira rejeitou "todos os tipos de violência" e apontou que, independentemente de qualquer diferença política, "o que deve prevalecer é a vida e o respeito pela integridade do ser humano".

    A parlamentar apelou às forças políticas para evitar qualquer confronto violento, pois "em nenhum caso se pode justificar a violência, e menos ainda quando se trata de política como instrumento de diálogo e construção cidadã".

    O ataque ocorreu quatro dias antes da eleição geral e depois de Rivadeneira retornar às suas funções depois de entrar licença não-remunerada para participar da campanha eleitoral.

    Mais:

    Impeachment pode levar a revisão de relações entre Brasil e Equador
    O que Equador tem a ver com atividade da CIA na América Latina?
    Tags:
    Grupo de Intervenção e Resgate, Polícia Criminalística do Equador, Polícia Judiciária do Equador, Gabriela Rivadeneira, Equador
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar