11:55 19 Janeiro 2018
Ouvir Rádio
    Nicolas Maduro

    Maduro promete colocar atrás das grades os beneficiados por propinas da Odebrecht

    Juan Barreto/AFP
    Américas
    URL curta
    1561

    O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, solicitou neste domingo ao Ministério Público país que prenda as pessoas beneficiadas por propinas da Odebrecht na Venezuela.

    "Dou todo meu apoio para que façam justiça no caso da Odebrecht e mandem para a prisão as pessoas que receberam subornos", declarou Maduro, citado pela Agência France-Presse.

    Maduro anunciou o início de um programa governamental anticorrupção, chamado "Missão Justiça Socialista".

    "Os corruptos que fogem desse país vão para os 'United States' e se declaram perseguidos políticos. E começam a colaborar com as agências dos Estados Unidos, por isso não se pode deixar escapar um único corrupto", alertou o presidente da Venezuela, que prometeu concluir por conta própria as obras da empresa brasileira no país.

    "Não quero mais atrasos, tenho os recursos para retomar de maneira acelerada todas as obras", assegurou Maduro.

    De acordo com declarações do ex-presidente da construtora, Marcelo Odebrecht, que está preso, a Venezuela é o segundo país da América Latina em que sua empresa mais pagou propinas (98 milhões de dólares), informou Agência Brasil.

    A Comissão de Controladoria do país intimou para esta semana os representantes legais da Odebrecht na Venezuela.

    Mais:

    Ex-vice-ministro dos Transportes da Colômbia é preso por envolvimento com Odebrecht
    Peru e Brasil assinam acordo de cooperação em investigação sobre Odebrecht
    Chefe da Inteligência argentina é investigado em caso relacionado à Odebrecht
    Peru proíbe participação da Odebrecht em novas licitações
    Governo mexicano inicia investigação em torno do caso da brasileira Odebrecht
    Odebrecht e Braskem admitem gastos de US$ 1 bi em propina em 12 países
    Tags:
    prisão, propina, corrupção, Odebrecht, Nicolás Maduro, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik