02:44 26 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Donald Trump participa do evento de campanha eleitoral em Hershey, Pensilvânia, EUA (foto de arquivo)

    Trump anuncia volta da concessão de vistos a países banidos em 90 dias

    © REUTERS/ Carlo Allegri
    Américas
    URL curta
    22140471

    Chamando a América de uma "nação orgulhosa de imigrantes", o presidente dos EUA Donald Trump defendeu as restrições de imigração que ele ordenou na sexta-feira (27) e disse que iria continuar "proteger os nossos cidadãos e fronteira."

    O presidente, no entanto, voltou atrás em alguns aspectos do banimento e disse que os Estados Unidos vai voltar a conceder vistos aos países banidos dentro de 90 dias.

    "Estaremos emitindo vistos para todos os países assim que tivermos certeza de que revisamos e implementamos as políticas mais seguras nos próximos 90 dias", disse ele.

    O novo presidente equiparou sua proibição de aceitar refugiados sírios, a suspensão do programa de refugiados de qualquer país por quatro meses e a proibição de admitir cidadãos de sete países muçulmanos à decisão do ex-presidente Barack Obama de 2011, quando vistos para refugiados do Iraque foram proibidos por um semestre.

    Trump também observou que as sete nações que sua proibição afeta — Irã, Iraque, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iêmen — foram identificadas pela administração Obama como "fontes de terror".

    "Para ser claro, este não é um banimento aos muçulmanos, como a mídia está falsamente reportando", disse Trump. "Isto não é sobre religião — trata-se de terrorismo e de manter nosso país seguro. Há mais de 40 países diferentes no mundo inteiro que são maioria muçulmana que não são afetados por esta ordem".

    Trump também disse que tinha "tremendo sentimento" por aqueles apanhados na "horrível crise humanitária" na Síria, mas que sua "prioridade são os cidadãos americanos".

    Mais:

    Trump veta entrada de muçulmanos, mesmo com ‘green card’
    Tags:
    Donald Trump, Barack Obama, Estados Unidos, Somália, Líbia, Iêmen, Iraque, Síria, Sudão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik