15:03 18 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Vladimir Putin durante coletiva de imprensa anual realizada em 23 de dezembro

    Bloomberg: Putin começa a conquistar mentes dos norte-americanos, e talvez seus corações

    © Sputnik / Mikhail Klementiev
    Américas
    URL curta
    46473

    Segundo uma pesquisa do Pew Research Center, o número de americanos que veem com bons olhos Vladimir Putin tem aumentado em comparação com os dados de há dois anos, escreve Leonid Bershidsky em seu artigo para a Bloomberg.

    Não importa quão pouco os americanos confiam na sua mídia e outras instituições, pois lhes conseguiram convencer de que a Rússia levou a cabo ataques cibernéticos contra os democratas e de que "a influência e o poder russos" representam uma ameaça, observa o autor.

    No entanto, isso não significa que a maioria dos americanos esteja irritada com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, nem que queira punir o seu país, observa o jornalista, se referindo aos dados das últimas pesquisas.

    "Tanto as sanções antirrussas como as tentativas de Obama de demonizar a Rússia por sua suposta intervenção nas presidenciais parecem ter provocado um efeito contrário", enfatiza Bershidsky.

    De acordo com o colunista, a ideia de Donald Trump de elaborar um acordo mutuamente aceitável com a Rússia é quase tão popular entre o eleitorado como uma resposta dura. O acordo é apoiado por uma maioria mesmo entre os que votaram nos republicanos. Até mesmo um dos principais críticos da Rússia, o senador John McCain, é a favor da candidatura de Rex Tillerson, que apresentou uma política razoável e flexível em relação à Rússia.

    "Parece que é isso que Putin sempre esperou dos EUA. Nunca sonhou com relações amistosas e idílicas com eles", opina o autor. "O objetivo era estabelecer um diálogo sem motivos ideológicos e baseado em interesses comuns e o respeito mútuo dos acordos".

    O colunista se lembra das palavras de Sergei Karaganov, conselheiro de política externa do Kremlin:

    "A concorrência com os Estados Unidos não vai desaparecer. Pode ser aguda e até mesmo perigosa. Mas a chegada da nova administração, que quer se concentrar no crescimento do seu próprio país, cria um leque de oportunidades para normalizar as relações e construí-las na base de interesses e equilíbrios", disse o político russo, citado pelo autor.

    Talvez hoje, depois de todas as guerras devastadoras do século XX e dos sangrentos conflitos dos últimos 15 anos, seja muito mais difícil despertar ânimos belicosos no público, pressupõe Bershidsky no seu artigo para a Bloomberg.

    Talvez o fato de ser uma potência nuclear inspire certo respeito pela Rússia, continua o jornalista.

    Ou talvez, ao convencer os americanos de que os russos intervieram com sucesso nas eleições presidenciais nos EUA, os democratas e a mídia tenham fortalecido a ideia do público sobre a força da Rússia, bem como a necessidade de ter cuidado na hora de lidar com ela.

    "Se isso é verdade, então, o fato é que os EUA ajudaram Putin a reforçar ainda mais o seu poder", conclui Bershidsky.

    Mais:

    Obama diz que retorno de Putin à presidência aumentou retórica anti-EUA
    'Amigo de Putin' e possível secretário de Estado destaca prioridades externas dos EUA
    Diplomata dos EUA: Putin deve mudar atitude para melhorar relações com Washington
    Tags:
    influência, relações internacionais, eleições, Bloomberg, Donald Trump, Barack Obama, Vladimir Putin, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar