04:31 23 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Rex Tillerson no Senado

    Indicado ao Departamento de Estado diz que EUA podem reconhecer a reintegração da Crimeia

    © REUTERS / Kevin Lamarque
    Américas
    URL curta
    8155
    Nos siga no

    Rex Tillerson deu declarações polêmicas durante a sabatina no Senado que deve confirmá-lo como novo secretário de Estado dos EUA.

    O indicado por Donald Trump à vaga de secretário de Estado (equivalente ao nosso ministro das Relações Exteriores), Rex Tillerson disse durante a sabatina no Senado que os EUA podem vir a reconhecer a reintegração da Crimeia, mas colocou condições.

    "A única maneira disso vir a acontecer é se houvesse alguns acordos mais amplos que fossem satisfatórios para o povo ucraniano", disse Tillerson quando perguntado se os EUA podem eventualmente reconhecer a anexação da Crimeia. "Sem isso, não, nunca iria reconhecer".

    Tillerson também disparou algumas frases polêmicas ao longo da sabatina. Considerado amigo pessoal do presidente russo, Vladimir Putin, Tillerson surpreendeu ao afirmar que as recentes atividades da Rússia vão de encontro aos interesses americanos.

    "Enquanto a Rússia busca respeito e relevância no cenário mundial, suas recentes atividades desrespeitaram os interesses americanos", afirmou, acrescentando que considera as ações do Kremlin uma ameaça a Washington.

    Se aprovado pelo Congresso, o indicado por Trump pode ser o primeiro titular do Departamento de Estado da história moderna dos EUA a chegar ao posto sem nenhuma experiência prévia no setor público. Rex Tillerson é mais conhecido por ser o atual presidente e CEO da Exxon Mobil e ganhou as graças de Trump pela proximidade que tem com os russos.

    Mais:

    Casa Branca comenta nomeação de Tillerson para secretário de Estado dos EUA
    Quatro aspectos da atitude do novo secretário de Estado dos EUA perante a Rússia
    Tags:
    Senado dos EUA, Departamento de Estado dos EUA, ExxonMobil, Rex Tillerson, Donald Trump, Vladimir Putin, Estados Unidos, Crimeia, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar