11:50 20 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Américas

    Relatório da Inteligência dos EUA afirma que a Rússia tentou impedir eleição de Clinton

    Américas
    URL curta
    171516112

    A inteligência dos EUA afirma que as autoridades russas tentaram abalar a confiança da sociedade norte-americana no processo democrático e “rebaixar” a presidenciável Hillary Clinton, esperando impedir a sua eleição.

    “O objetivo da Rússia era abalar a confiança no processo democrático nos EUA e rebaixar a secretária de Estado Clinton, bem como atrapalhar a sua eleição para a presidência”, explica o relatório da CIA, do FBI e da Agência de Segurança Nacional (NSA), publicado nesta sexta-feira.   

    Em outubro, os representantes oficiais das agências de inteligência dos EUA declararam que hackers russos estavam por trás dos ciberataques contra os sistemas eleitorais do país. Mais tarde, a CIA, através da imprensa, acusou a Rússia de invadir os servidores do Partido Democrata, com objetivo de ajudar a eleição de Donald Trump. As provas da alegada interferência russa ainda não foram apresentadas pelo governo, que as classificou de confidenciais. Enquanto isso, Moscou nega de forma enérgica as acusações da administração do presidente Barack Obama.

    O presidente eleito dos EUA, Donald Trump, considerou as acusações contra a Rússia exageradas e afirmou que os seus concorrentes à presidência, os democratas, tentam questionar dessa forma os resultados do pleito, bem como se eximir da responsabilidade pela derrota.

    Mais:

    Trump classificou as acusações contra a Rússia de 'caça às bruxas'
    Casa Branca sobre ciberataques: as provas contra a Rússia são confidenciais
    Trump põe inteligência dos EUA em xeque ao duvidar das acusações sobre ciberataques russos
    EUA impõem sanções contra Rússia por supostos ciberataques nas eleições
    Tags:
    ciberataque, relatório, Agência Nacional de Segurança (NSA), FBI, CIA, Hillary Clinton, Donald Trump, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik