15:15 29 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    512
    Nos siga no

    Um tribunal de apelações da Argentina decidiu nesta noite (29), reabrir uma investigação sobre as acusações de que a ex-presidente Cristina Kirchner teria tentado encobrir a participação iraniana em um ataque à bomba contra um centro judaico em 1994.

    A decisão é uma resposta a um recurso interposto pela DAIA, uma organização judaica de Buenos Aires, quase dois anos após o procurador que entrou com a queixa criminal, Alberto Nisman, ter sido encontrado morto em seu apartamento com um ferimento causado por uma arma de fogo.

    O crime aconteceu apenas um dia antes do testemunho marcado no Congresso sobre as alegações contidas em sua queixa e as causas nunca foram esclarecidas. Investigadores não chegaram a nenhuma conclusão, apontando assassinato ou suicídio.

    Acusações

    2016, definitivamente, não tem sido o ano de Cristina. Depois de deixar o poder no fim do ano passado, em uma posse que envolveu brigas e trocas de acusações com o sucessor Maurício Macri, ela foi acusada de ordenar o Banco Central argentino a comercializar derivativos ilegalmente.

    Nesta semana, ela foi indiciada por denúncias de corrupção em projetos de trabalhos públicos na província de Santa Cruz, sua terra natal. Cristina nega todas as acusações.

    Mais:

    Cristina Kirchner: América Latina está recuando politicamente
    Cristina Kirchner diz merecer Prêmio Nobel por contribuição à economia da Argentina
    Bens de Cristina Kirchner são embargados por juiz argentino
    Cristina Kirchner volta à cena política e pede mobilização
    Tags:
    Congresso da Argentina, DAIA, Alberto Nisman, Maurício Macri, Cristina Kirchner, Irã, Argentina, Buenos Aires
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar