09:30 20 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    0417
    Nos siga no

    O acordo de cooperação entre a Colômbia e a OTAN não representa ameaça aos países vizinhos da América Latina, declarou o ministro da Defesa colombiano, Luiz Carlos Villegas.

    Antes, a mídia comunicou que o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, anunciou sobre aprovação do acordo de cooperação militar com a Aliança Atlântica. O objetivo do documento é controlar a situação no país após a assinatura do acordo de paz entre o governo colombiano e os rebeldes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) para pôr fim ao conflito interno de mais de meio século que resultou em 220 mil mortes.

    No entanto, conforme a agência France-Presse (AFP), a declaração do presidente da Colômbia causou uma "profunda preocupação" na Venezuela.

    "Não há razões para que, dentro e fora do país, haja preocupação devido ao acordo de cooperação com a OTAN, esse acordo é semelhante aos que já existentes entre a Colômbia e a UE, Organização dos Estados Americanos (OEA), ONU, EUA, China ou Brasil. Ele não implica em ameaça alguma aos residentes locais e às questões internas", informou a emissora W Radio ao citar Villegas.

    Ao mesmo tempo, o ministro acrescentou que o acordo com a OTAN está relacionado a questões de segurança informacional, cibersegurança e luta contra o crime organizado internacional.

    Por fim, Villegas destaca que a Colômbia "foi aceita como um país capaz de cooperar com a OTAN a alto nível em assuntos de transparência, tecnologias, combate ao crime organizado e acesso a informações".

    Mais:

    Brasil e Colômbia farão amistoso pela Chape
    Colômbia propõe trégua natalina à ELN
    Guerrilheiros das FARC começam a chegar às zonas de concentração na Colômbia
    Tags:
    Colômbia, EUA, China, Brasil, Juan Manuel Santos, OTAN, FARC, UE, Organização dos Estados Americanos (OEA), ONU, acordo de cooperação, ameaça, preocupação, cibersegurança, crime organizado
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar