17:42 25 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Placa da Construtora Odebrecht na Vila Olímpica e Paralímpica no Rio de Janeiro

    Governo mexicano inicia investigação em torno do caso da brasileira Odebrecht

    YASUYOSHI CHIBA / AFP
    Américas
    URL curta
    217630

    O governo mexicano abriu uma investigação devido aos dados sobre alegado recebimento de propina da empresa construtora brasileira Odebrecht por funcionários do México.

    O anúncio foi publicado em comunicado da administração do presidente mexicano na noite da quinta-feira (22).

    De acordo com a decisão do tribunal federal do Brooklyn, EUA, representantes de vários países latino-americanos estão envolvidos no escândalo de corrupção com a participação da Odebrecht, ao receber propina milionária dessa empresa. Trata-se de um montante equivalente a 439 milhões de dólares no período entre 2001 e 2016, sendo o México responsável pelo recebimento de 10,5 milhões de dólares.

    Segundo o comunicado, "com base nas informações da mídia sobre o possível pagamento de propina pela Odebrecht e pela sua empresa afiliada BRASKEM a funcionários nos países de três continentes, incluindo o México, o Ministério de Serviço Estatal, através do seu departamento de contabilidade na coordenação com a petrolífera Pemex, iniciou a recolha de todas as informações disponíveis".

    Segundo o portal Aristegui Noticias, refere-se ao contrato assinado em 2014 entre a Odebrecht e Pemex Refinacion no valor de 135 milhões de dólares, recebido pela Odebrecht sem licitação.

    Em 21 de dezembro, o Departamento de Justiça dos EUA comunicou que a Odebrecht tentou garantir contratos em mais de 100 projetos nos países da Angola, Argentina, Brasil, Colômbia, Equador, Guatemala, México, Moçambique, Panamá, Peru, República Dominicana e Venezuela. Somente no Brasil, a Odebrecht admitiu o pagamento de cerca de US$ 349 milhões (R$ 1,16 bilhões) em propinas, entre os anos de 2003 e 2016.

    O ex-presidente da empreiteira Odebrecht, Marcelo Odebrecht, foi condenado a 19 anos e 4 meses de prisão por corrupção passiva, associação criminosa e lavagem de dinheiro nas investigações da Lava Jato. Em suas delações, Marcelo Odebrecht citou nomes de políticos para quem fez doações da campanha, com origem ilícita.

    Mais:

    Emilio Odebrecht assina acordo de delação premiada
    Odebrecht aceitará pagar multa de R$ 7 bi por envolvimento em corrupção
    Executivos da Odebrecht começam a assinar acordos de delação premiada
    Tags:
    licitação, investigação, recebimento, propina, Braskem, Odebrecht, Marcelo Odebrecht, América Latina, México, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik