07:54 26 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    A bandeira americana em um veículo vibra quando o sol se põe atrás da cúpula do Capitólio dos EUA nas horas antes de o presidente Barack Obama entregar o discurso do Estado da União a uma sessão conjunta do Congresso em Washington em 12 de janeiro de 2016

    Opinião: adeptos da Guerra Fria querem combater a Rússia, não o terrorismo

    © REUTERS/ Jonathan Ernst
    Américas
    URL curta
    13104662

    Os adeptos da guerra fria nos EUA não podem compreender que Moscou é o parceiro mais importante de Washington na área de segurança, escreve o professor norte-americano e especialista em Rússia, Stephen Cohen, em sua coluna da revista The Nation.

    De acordo com o especialista, a principal ameaça à segurança nacional dos EUA são os "soldados da época da Guerra Fria", que estão sentados no Senado, e as grandes mídias norte-americanas que distraem a população dos problemas reais.

    Tais senadores como John MacCain e Lindsey Graham demonizam a imagem da Rússia há muitos anos. Mais recentemente, a lista de acusações contra Moscou recebeu mais algumas: a intervenção ilusória nas eleições norte-americanas e os crimes militares na Síria, alegadamente cometidos pela Força Aérea russa.

    "Além disso, não há fatos ou argumentos lógicos. Está presente somente o desejo importuno de isolar o presidente russo que é, provavelmente, o aliado mais valioso dos EUA na área de segurança", acredita Cohen.

    Com isso, os que defendem a normalização das relações com a Rússia e uma nova "suavização", imediatamente recebem a marca de "lacaios", escreve o professor. A mídia sem vergonha chama de "marionete do Kremlin" até mesmo o presidente eleito e pede vingança aos ataques de hackers com os quais, alegadamente, a Rússia está ligada.

    "Ao mesmo tempo, ameaças reais, tanto para segurança externa quanto para interna, continuam crescendo", marca ele.

    De acordo com Cohen, a percepção negativa da Rússia pode ser explicada através da política dos EUA malsucedida na arena internacional, culpa imposta também a Moscou. Ainda que, na verdade, os choques dos últimos anos são frutos do "revés da política externa de Washington, incluindo o início de guerras para alterar regimes governamentais e estratégia de globalização liberal".

    Edward Snowden
    © REUTERS/ Glenn Greenwald/Laura Poitras/Courtesy of the Guardian/Handout via Reuters
    O professor acredita que, no contexto do crescente cansaço de todo o mundo das atitudes dos EUA, o presidente russo "involuntariamente tornou-se um símbolo da oposição à hegemonia de Washington". O histórico acredita ser lógico tal resultado, pois hoje milhões de pessoas veem os EUA como um destruidor dos valores tradicionais e um "banqueiro" mundial, que em qualquer momento podem trazer a guerra para o mundo.

    Mais:

    Kiev: drones que EUA entregaram à Ucrânia são inutilizáveis
    China adverte eventuais dificuldades nas relações com EUA após posse de Trump
    Israel pede aos EUA que vetem resolução contra assentamentos na Palestina
    Tags:
    presidente russo, segurança, Senado Federal, ameaça, Guerra Fria, Força Aérea da Rússia, The Nation, Stephen Cohen, Lindsey Graham, John McCain, Moscou, Washington, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik