12:10 24 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

    Maduro chama o presidente da Argentina de 'covarde, oligarca e ladrão'

    © REUTERS / Carlos Garcia Rawlins
    Américas
    URL curta
    19111

    O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, condenou a "agressão" contra a chanceler venezuelana Delcy Rodríguez em Buenos Aires e chamou o seu homólogo argentino, Mauricio Macri, de "covarde" e de "ladrão".

    "O covarde Macri mandou agredir ela (a Delcy Rodríguez). Na verdade é o que eu disse há um ano no Uruguai, covarde, você é um covarde Macri. Não mexa com as mulheres. Macri covarde, oligarca, ladrão e covarde. O povo da Argentina vai se encarregar de você, mais cedo ou mais tarde", declarou nesta sexta-feira um irritado chefe de Estado venezuelano, durante a graduação de médicos comunitários em Caracas.

    Maduro se referiu ao ocorrido na porta do Ministério das Relações Exteriores em Buenos Aires, quando a ministra das Relações Exteriores venezuelana tentou participar de uma reunião do Mercosul. Delcy Rodríguez relatou ter sido agredida por policiais argentinos que impediram o seu acesso.

    Na cerimônia realizada no Panteão Nacional e transmitida pelo canal estatal Venezolana de Televisión, o chefe de Estado denunciou a violação das convenções internacionais pelo Governo da Argentina.

    Além disso, o presidente repudiou as declarações dos porta-vozes da oposição venezuelana, que consideraram "justificável a agressão" contra a chanceler.

    Durante o evento, a ministra Delcy Rodríguez recebeu o prêmio Libertadores das mãos do presidente Nicolás Maduro.

    Mais:

    Venezuela reafirma 'golpe' e não reconhece Argentina na presidência do Mercosul
    Venezuela vai apelar a Comitê de Controvérsias do Mercosul
    Venezuela denuncia conluio da 'Tríplice Aliança' no Mercosul e promete assumir presidência
    Tags:
    relações bilaterais, Delcy Rodríguez, Mauricio Macri, Nicolás Maduro, Argentina, Venezuela, América Latina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik