01:40 17 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Embaixador da China nos Estados Unidos, Cui Tiankai

    Embaixador da China nos EUA: 'Soberania não é uma moeda de troca'

    © AFP 2019 / CHRIS KLEPONIS
    Américas
    URL curta
    461
    Nos siga no

    Cui Tiankai disse a empresários que Pequim não negociaria sua integridade territorial, em recado direto ao presidente-eleito Donald Trump.

    O embaixador da China nos Estados Unidos nessa quarta-feira (15) disse que a China nunca negociaria com Washington sobre questões envolvendo sua soberania nacional ou integridade territorial. A declaração soou como recado ao presidente-eleito dos EUA, Donald Trump que tem desafiado a paciência chinesa com telefonema à presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen e postando tweets agressivos contra o país, que acusa de concorrência desleal desde a campanha presidencial.

    Falando com executivos das principais empresas dos EUA, o embaixador Cui Tiankai, disse que Pequim e Washington precisam trabalhar para fortalecer seu relacionamento, informou a agência de notícias Reuters.

    "A base política das relações entre a China e os EUA não deve ser prejudicada, deve ser preservada. E as normas básicas das relações internacionais devem ser observadas, não ignoradas, certamente não devem ser vistas como algo que você pode negociar e, de fato, a soberania nacional e integridade territorial não são pedaços de barganha", declarou.

    Entenda a desavença diplomática

    A equipe do presidente eleito informou no início do mês que o republicano conversou com a presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen. Durante a conversa, "eles mencionaram os estreitos laços econômicos, políticos e de segurança" entre Taiwan e os Estados Unidos. 

    A ligação de 10 minutos foi a primeira conversa formal entre um líder dos Estados Unidos e de Taiwan, desde 1979, quando o então presidente Jimmy Carter mudou o reconhecimento diplomático de Taiwan para a China, reconhecendo Taiwan como parte de "uma China única". Logo depois, o Ministério das Relações Exteriores da China disse ter apresentado "representações diplomáticas severas" com o que chamou de "lado relevante dos EUA", instando a cuidadosa manipulação da questão de Taiwan para evitar quaisquer distúrbios desnecessários nos laços.

    Histórico

    Chiang Kai-shek e o Kuomitang governaram a China até a Guerra Civil com o Partido Comunista, em 1946. Ao perder o confronto, líderes do Kuomitang fugiram para a Ilha de Formosa e lá estabeleceram um governo provisório que reclamava sua soberania sobre toda a China.

    Inicialmente reconhecido como "a única China", Taiwan perdeu o reconhecimento dos EUA. A estratégia americana era se aproximar dos comunistas para reduzir a influência soviética no país. Hoje, apenas 23 nações reconhecem Taiwan (a China não mantém relações diplomáticas com nenhum deles).

    Mais:

    Casa Branca: 'Continuamos comprometidos com nossa Política de uma China única'
    General chinês pretende solucionar questão de Taiwan por meio da força
    Tags:
    Partido Comunista Chinês, Kuomitang, Ministério das Relações Exteriores da China, Chiang Kai-shek, Jimmy Carter, Tsai Ing-wen, Cui Tiankai, Washington, Pequim, Taiwan, China, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar