03:41 13 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Venezuela Mercosul reunião

    Venezuela vai apelar a Comitê de Controvérsias do Mercosul

    Eitan Abramovich/AFP
    Américas
    URL curta
    221
    Nos siga no

    A Argentina tomou posse da presidência rotativa do Mercosul nesta quarta-feira (14) durante reunião do bloco convocada por Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai, sem a presença oficial da Venezuela. A Argentina permanecerá na presidência até o final do primeiro semestre de 2017, quando deverá ser substituída pelo Brasil.

    Ignorando a suspensão da Venezuela do bloco, determinada pelos quatro países no último dia 2, por descumprimento de cláusulas de adesão, a chanceler venezuelana Delcy Rodriguez desembarcou em Buenos Aires, criticando o que chamou de golpe da Tríplice Aliança (Brasil, Argentina e Uruguai), e repetiu frase do presidente Nicolás Maduro: "Se nos tirarem pela porta, entraremos pela janela."

    A representante venezuelana afirmou também que nesta quinta-feira, 15, o país vai recorrer ao Comitê de Resolução de Controvérisas do bloco, informação que foi confirmada pela Sputnik Mundo e admitida pela chanceler argentina Susana Malcorra. O processo começará em Montevidéu e, segundo Malcorra, deverá durar 15 dias, período que, se encerrado sem acordo, permitiria a abertura de arbitragem.

    Malcorra disse estar convicta que esses mecanismos mostrarão a transparência do processo, permitindo à Venezuela se enquadrar nas exigências do bloco ao qual aderiu em 2012. O governo venezuelano alega ter incorporado 1.479 normas do Mercosul a sua legislação, o que equivale a 95% do conjunto de leis que os países devem cumprir para adesão ao bloco.

    Na reunião desta quarta-feira, os quatro países discutirão a agenda de negociações de 2017, nas quais a prioridade será a busca por um acordo comercial com a União Europeia (UE), em suspensão há duas décadas.

    O deputado federal Saguas Moraes (PT-MT), integrante da bancada brasileira no Parlamento do Mercosul (Parlasul), diz que a posição dos países membros do Mercosul é equivocada e mostra uma guinada de 180 graus no diálogo que era mantido com o governo venezuelano.

    "Desde que houve o golpe aqui no Brasil, a eleição do Macri na Argentina e com o novo presidente do Paraguai, eles articularam o tempo todo para excluir a Venezuela alegando que ela não cumpre com todas suas obrigações. Eles tinham medo que o Estado bolivariano tomasse conta de todo o mundo, aquela coisa maluca que pasa na cabeça da extrema-direita que hoje governa Brasil, Argentina e Paraguai. Isso é um absurdo, a Venezuela vem cumprindo suas obrigações."

    Saguas diz que o Cone Sul tem que ampliar o mercado para a Colômbia, Peru, Equador para que a toda a América do Sul passe a fazer parte do Mercosul. 

    "O esforço que é feito é muito pequeno no sentido de manter os atuais membros. É uma política caolha que prejudica o Mercosul. Não podemos permitir essa possibilidade. A Venezuela tem que resistir. A embaixadora venezuelana esteve na última reunião do Parlasul dizendo que a Venezuela vem tentando cumprir 100% do protocolo e que não tem por que estar fora. Precisamos ampliar a participação de outros países, porque é um mercado interessante e que corresponde a cerca de 400 milhões de pessoas." 

    Mais:

    Para diplomacia brasileira, Venezuela mais atrapalha do que ajuda no Mercosul
    Visita de Temer a Argentina e Paraguai marca reviravolta no Mercosul
    Tags:
    exigências, América Latina, suspensão, diplomacia, comércio, sanções, UE, Parlasul, Mercosul, Ságuas Moraes, Susana Malcorra, Mauricio Macri, Delcy Rodriguez, Nicolás Maduro, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar