15:58 22 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    Aeronaves Su-25 durante o ensaio da Parada da Vitória em Moscou, 9 de maio de 2015

    Hegemonia mundial dos EUA? Pois, 'Rússia já não é aquele país fraco que era nos anos 90'

    © Sputnik/ Alexander Vilf
    Américas
    URL curta
    32462

    Vários especialistas foram entrevistados pela Sputnik para saber opinião deles sobre um dos eventos mais marcantes da história contemporânea – o colapso da União Soviética, e sobre as tentativas dos EUA de se tornarem superpotência com hegemonia mundial.

    Carlos Martínez, cientista político espanhol, revelou à Sputnik Mundo a sua visão sobre os assuntos em questão:

    "O colapso da União Soviética foi uma catástrofe de escala mundial que levou ao surgimento do mundo unipolar. A ideia do socialismo foi manchada, algo que afetou a vida de vários países europeus…", acredita Martínez.

    Na opinião dele, a URSS sofreu o colapso "devido à falta de liberdades civis e democráticas".

    "Hoje, estão acontecendo guerras no mundo inteiro. Essa é uma demonstração de estabilidade do mundo unipolar, encabeçado pelos EUA. Washington usou a situação para conduzir guerras por todo o mundo perseguindo os seus interesses…", conclui.

    Pere Ortega, diretor do Centro de Estudos pela Paz, pensa diferente. Para ele, os EUA não é dono da hegemonia mundial, pois "a Rússia já não é aquele país fraco que era nos anos 90".

    Ortega explica que o cenário internacional pode passar por grandes mudanças após a vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais nos EUA:

    "Venceu a pessoa, que, pelo visto, não pretende concentrar todos os esforços na manutenção da liderança global norte-americana."

    Ortega opina que o papel dos EUA como superpotência "não criou estabilidade no mundo". Isso é um indício que o mundo "está a caminho da multipolaridade".

    Outro especialista, Mehmet Ali Guller, entrevistado pela Sputnik Turquia, destacou que "no contexto do colapso da URSS e da guerra no Golfo Pérsico, os EUA anunciaram que pretendem se tornar a única superpotência mundial".

    No entanto, Guller se refere à liderança dos EUA apenas entre 1991 e 2004:

    "Esses 13 anos são um período bastante curto quando os EUA tentaram se tornar líder mundial", explica Guller.

    Mas o que aconteceu afinal? Surgiram "projetos regionais ligados à China, Rússia, América Latina e Europa" que "deixaram a 'América' sem chances à hegemonia no mundo", conclui o especialista.

    Mais:

    Deputado revela por que EUA aterrorizam mundo com agressão russa
    Vitória de Trump pode provocar revolução nos EUA?
    Tags:
    socialismo, estabilidade, colapso, liderança, hegemonia, Sputnik, Europa, América Latina, China, Golfo Pérsico, URSS, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik