23:59 16 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Bandeiras nacionais dos EUA e da China

    Donald Trump critica política cambial e militar da China

    © AP Photo / Andy Wong
    Américas
    URL curta
    12713
    Nos siga no

    Republicano questionou se a China teria ouvido a opinião dos EUA sobre a taxação de produtos americanos em solo chinês, desvalorização do Yuan e "construção de um massivo complexo militar" no Sul da China.

    Em mais uma polêmica protagonizada nas redes sociais, o presidente-eleito dos Estados Unidos, Donald Trump usou o Twitter na noite deste domingo (4) para criticar a política cambial e militar chinesa.

    ​"A China nos perguntou se estava tudo bem desvalorizar o câmbio deles (tornando difícil para nossas empresas competirem), taxar pesadamente nossos produtos que entram no país deles (os Estados Unidos não os taxam) ou sobre a construção de um massivo complexo militar no meio do Mar do Sul da China. Eu não acho que sim", disse.

    ​​O posicionamento de Trump acontece apenas dias depois do republicano causar reboliço diplomático ao aceitar a ligação de parabenização da presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen no que foi o primeiro contato entre presidentes dos dois países desde 1979 quando os EUA retirou o reconhecimento diplomático do país como "única China".

    O telefonema foi seguido da apresentação por Pequim de um "protesto diplomático" recomendando cautela ao presidente-eleito ao lidar com a situação taiwanesa.

    Durante a campanha, o republicano também ameaçou iniciar uma guerra fiscal com o Gigante Asiático, taxando os produtos chineses em 45% para estimular o consumo de produtos americanos.

    Mais:

    Donald Trump fala sobre ligação com presidente de Taiwan
    Trump conversa com presidente de Taiwan sob risco de 'raiva' chinesa
    China apresenta 'protesto diplomático' após ligação entre Trump e presidente de Taiwan
    Tags:
    Tsai Ing-wen, Donald Trump, Estados Unidos, Mar do Sul da China, Taiwan, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar