12:07 16 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente da Argentina, Mauricio Macri

    Maioria dos argentinos considera a gestão de Macri negativa ou muito negativa

    © REUTERS / Jorge Adorno
    Américas
    URL curta
    730
    Nos siga no

    Passado o primeiro ano de governo, pesquisa realizada com eleitores entre 16 e 70 anos mostrou que para a maioria, governo do neoliberal ainda não engatou.

    Mesmo considerando seu primeiro ano de governo "nota 8", o presidente da Argentina, Maurício Macri não vai também quando o assunto é opinião pública.

    Pesquisa realizada pelo jornal Clarín em parceria com a Management & Fit mostrou que 43,1% da população considera a gestão de Macri negativa ou muito negativa, enquanto 25,9% a considera positiva ou muito positiva. O levantamento foi realizado com 2 mil pessoas entre 16 e 70 anos.

    A pesquisa mostrou ainda que mais da metade da população (51,6%) crê que o presidente não está cumprindo suas promessas de campanha. 34,4% acham o presidente está cumprindo parcialmente os compromissos firmados durante a campanha eleitoral e apenas 7,3% consideram que ele está conseguindo cumprir o que prometeu.

    Mesmo com a guinada neoliberal e a benção do mercado, Macri também ainda não conseguiu seduzir o cidadão argentino. 40,3% deles acreditam que a situação econômica estará pior ou muito pior nos próximos meses.

    As perspectivas para o futuro, porém, estão divididas. Para 38,6 %, a situação do país será melhor em 2017 contra 31,9% que acredita na piora e 15,4%, para os quais não haverá diferenças.

    Mais:

    Justiça argentina pede investigação contra o presidente Mauricio Macri
    Macri: 'Venezuela não pode fazer parte do Mercosul'
    Temer e Macri conversam sobre relações econômicas
    Encontro marcado: Macri e Temer se reunirão pela primeira vez
    'Marcha Federal' contra governo de Macri toma conta das ruas de Buenos Aires
    Tags:
    Management & Fit, Clarín, Maurício Macri, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar