09:11 23 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Donald Trump e Hillary Clinton

    Trump quer persuadir outros países investigar Fundação Clinton

    © AFP 2017/ MANDEL NGAN Brendan Smialowski
    Américas
    URL curta
    101809231

    De acordo com o site New York Post, a administração do presidente eleito Donald Trump tenta persuadir representantes estrangeiros a começar uma investigação relativamente à fundação da família Clinton.

    O site divulgou a informação citando uma fonte na equipe do bilionário republicano.

    A tarefa deverá ser delegada em alguns chefes das missões diplomáticas dos EUA, que serão em breve nomeados pela nova administração presidencial.

    "As nomeações para o Haiti e a Colômbia serão decisivas neste trabalho, se tomarmos em consideração os valores em causa", divulgou a fonte do site.

    Segundo destacou o artigo, o Departamento de Estado norte-americano apoiou muito "os amigos de Bill" Clinton no Haiti, tendo transferido cerca de 20 bilhões de dólares como ajuda à restauração do país após o terremoto devastador de 2010. 

    Como a prova deste fato existe a troca de e-mails publicada online. Enquanto isso, é sabido que vários documentos desclassificados de fato não divulgam tudo, devido a terem sido objeto de edições significativas.

    Tratando-se da Colômbia, vários advogados de direitos humanos declaram que, em 2005, o bilionário natural de Canadá Frank Giustra prometeu transferir para a fundação 200 bilhões de dólares, posteriormente usando este fato para se tornar proprietário de terras, que mais tarde alocou para uma empresa de produção de petróleo.

    Segundo os documentos na posse do New York Post, os jórgãos de controle da França já começaram a investigação do fato de várias dezenas de bilhões de dólares do orçamento francês terem acabado na Fundação da família Clinton.

    Segundo o site, a fundação também recebeu dinheiro dos governos da Arábia Saudita, Kuwait, Holanda, Canadá, Irlanda e Suécia. Ao mesmo tempo, recentemente os principais parceiros da organização de Clinton, como os governos da Austrália e Noruega, diminuíram a sua participação.

    Cabe notar que, durante a sua campanha eleitoral, Donald Trump tinha declarado que não só pretendia apoiar a investigação dos escândalo dos e-mails de Hillary Clinton, mas também prometeu nomear um procurador especial para investigar as atividades de Clinton e da sua fundação.

    Mais:

    'América Latina não é prioridade de Donald Trump'
    FBI encerra investigação sobre e-mails de Hillary Clinton
    Assange: 'Clinton e Daesh são financiados pelas mesmas fontes'
    Tags:
    investigação, Fundação Clinton, Donald Trump, Hillary Clinton, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik