19:42 19 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Presidente eleito dos EUA, Donald Trump, grita para os jornalistas junto à porta da sua mansão, em seu campo de golfe de Nova Jersey, em 19 de novembro de 2016

    Outro Nixon? Trump está ignorando relatórios da CIA

    © REUTERS/ Mike Segar
    Américas
    URL curta
    102828102

    O presidente eleito dos EUA, Donald Trump, recebeu relatórios sobre os dados secretos apenas duas vezes desde a sua vitória nas presidenciais. O que está por trás da sua negligência quanto ao trabalho da CIA e outras agências? Será que ele as considera como inúteis ou está simplesmente sobrecarregado com obrigações preliminares?

    Até agora, Trump não tem considerado os resumos dos serviços secretos, acessíveis a ele a partir de então e que são considerados uns dos documentos mais confidenciais dos EUA — President's Daily Briefs ('Resumos diários para o presidente').

    President's Daily Briefs, ou simplesmente PDB, é um sumário das informações descobertas pelas 16 agências de inteligência norte-americanas, inclusive dados ultrassecretos em relação a ataques aéreos, contatos entre os líderes estrangeiros, talvez até sobre assassinatos e operações clandestinas que os cinéfilos gostam tanto de ver nos filmes de espionagem.

    O documento é entregue ao presidente dos EUA, a um grupo muito restrito de altos oficiais e ao presidente eleito, para que o líder recém-escolhido do país possa se familiarizar mais facilmente com os últimos acontecimentos. Porém, o candidato eleito não tem acesso a todas as informações.

    Entretanto, Donald Trump, que tem repetidamente criticado os funcionários dos serviços secretos norte-americanos, questionando de modo aberto sua atitude com a Rússia, Síria e outros assuntos, recebeu apenas dois destes resumos desde a sua eleição. A mídia norte-americana, que está acompanhando cada passo de Trump (de maneira parecida como a mídia segue o presidente russo Vladimir Putin), observou que os oficiais da inteligência estão perplexos com o comportamento do presidente eleito.

    "O presidente eleito está desperdiçando a oportunidade única de conhecer mais as ameaças à segurança nacional e os desafios que nosso povo está enfrentando", disse Michael Morell, ex-vice-chefe da CIA, que apoiou a candidata democrata, Hillary Clinton, ao longo da campanha eleitoral.

    "Os últimos três presidentes eleitos aproveitaram os resumos dos serviços secretos durante o período de trânsito para literalmente examinar os assuntos de segurança nacional que eles enfrentariam e para conhecer os líderes mundiais com quem eles interagiriam quando presidente", adiantou Morell.

    É de destacar que o tom de afirmações de Morell está de alguma maneira ecoando as palavras do General Michael V. Hayden, ex-chefe da CIA e da Agência de Segurança Nacional, que chamou tal negligência das informações secretas de 'algo que atrapalha a lógica'.

    No entanto, tanto o The Independent como o The Washington Post destaca que é cedo demais para tirar quaisquer conclusões, já que Trump pode estar simplesmente sobrecarregado com funções transitórias.

    "A segurança nacional é a prioridade número um para Donald Trump e eu acho que ele a leva muito a sério", disse o republicano Devin Nunes, presidente da Comissão de Informações da Câmara e sênior da equipe de trânsito de Trump, citado pela mídia.

    "Observem com quantos líderes mundiais ele já se encontrou, quantos telefonemas já fez, quantas nomeações já decidiu. As pessoas, que estão o criticando, têm que se preocupar com sua própria vida."

    Outros sugerem que não há nada de extraordinário no comportamento de Trump comparado com o de antigos presidentes norte-americanos em escala global. Enquanto alguns presidentes eleitos se interessaram muito pelos resumos de inteligência durante os períodos de trânsito, outros não demonstraram tanto interesse.

    Curiosamente, o presidente Richard Nixon foi o primeiro presidente norte-americano a receber um President's Daily Brief e ao mesmo tempo o presidente mais hostil com os serviços secretos. De acordo com Priess, Nixon refusou se reunir com os representantes da CIA durante o período entre sua vitória e posse, pedindo para que os altos funcionários da inteligência o enviassem o President's Daily Briefs fechado e somente através dos secretários do presidente, que não tinham nenhum acesso a tais informações.

    Os serviços secretos dos EUA estão demonstrando preocupação a um nível elevado, segundo o The Washington Post. Os funcionários da inteligência partilham o mesmo sentimento de incerteza coletiva quanto ao futuro sob administração de Trump. Até há boatos de que certa porcentagem de oficiais, que apoiaram a democrata Hillary Clinton, possa abandonar seus cargos. Outros acreditam que o sistema burocrático, que os serviços secretos dos EUA representam, é capaz de suportar bagunça ainda maior.

    Mais:

    Exclusivo: Fontes do WikiLeaks enfrentam graves acusações após ataques contra CIA e FBI
    Norte-americanos querem que Trump pare de usar o Twitter
    WSJ: equipe de Trump não quer Romney como secretário de Estado dos EUA
    Tags:
    sigilo, mídia, serviços secretos, agências de inteligência, eleições nos EUA, Casa Branca, FBI, CIA, Bill Clinton, Richard Nixon, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik