02:50 25 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Processo de votação em Norte Carolina, EUA, 20 de outubro de 2016

    Votando em Trump eleitores escolheram acabar com 'financiamento do terrorismo' dos EUA

    © REUTERS / Jonathan Drake
    Américas
    URL curta
    2110

    Escolhendo um candidato que não apoia a retórica bélica de Washington, os americanos se opuseram ao terrorismo e ao extremismo, expressando, assim, a esperança de que as relações com outros países melhorem, de acordo com Fajer Zeidan, secretário-geral da União das Forças Sírias.

     

    Fajer Zeidan, secretário-geral da União das Forças Sírias, acredita que os eleitores americanos, dizendo “Sim” a Donald Trump, manifestaram o desejo de salvar seu país de terroristas e extremistas, acreditando que os laços com outros países sejam fortalecidos através do mandato do futuro presidente.

    Em entrevista à Sputnik Àrabe, Zeidan disse que a administração de Obama, que de certa forma inclui Hillary Clinton, apoiou os extremistas da Irmandade Muçulmana no Egito e do Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) no Iraque e na Síria.

    Segundo ele, há esperança de que a nova administração dos EUA seja capaz de mudar o curso político.

    “Nós esperamos que a nova administração [da Casa Branca] acabe com o financiamento do terrorismo que emana dos EUA e alguns países árabes, para que alcancemos uma solução política para a crise [na Síria] de acordo com os interesses de todas as partes do conflito”, disse ele.

    Zeidan acredita que o candidato eleito nos Estados Unidos, Donald Trump, e o presidente russo, Vladimir Putin, coordenarão em conjunto ações no que diz respeito à Síria, buscando reforçar o apoio à soberania e à unidade da Síria e se livrar dos grupos armados através de um acordo político.

    Segundo Zeidan, a relação entre os EUA e os países árabes vai melhorar durante o mandato de Trump, apesar das tentativas de Clinton em distorcer declarações feitas por ele sobre a proibição da entrada de potenciais terroristas nos Estados Unidos, insinuando que ele seja contra todos os muçulmanos.

    A entrevista com Zeidan foi feita após a surpreendente vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais de 8 de novembro nos Estados Unidos, onde ele conseguiu vencer a candidata dos democratas, Hillary Clinton.

    Durante discurso, Trump prometeu sempre priorizar os interesses dos EUA e “tratar bem" todas as nações dispostas a conviver com os Estados Unidos. Ele acrescentou que Washington buscará um "terreno comum, em vez de hostilidade", de "parceria e não de conflito".

    Em julho de 2016, o ate então candidato republicano à presidência, Trump, apelou aos EUA que dessem um basta na imigração de pessoas de países com histórico de extremismo islâmico.

    Anteriormente, ele solicitou a proibição temporária da entrada nos Estados Unidos de todos os muçulmanos até que suas identidades fossem analisadas.

    Em 9 de novembro, o presidente russo, Vladimir Putin, felicitou Trump por sua vitória nas eleições presidenciais nos EUA, expressando a esperança de que o trabalho conjunto entre os dois países resolva a crise nas relações bilaterais.

    “No telegrama, Putin expressou a esperança de trabalho em conjunto para elevar as relações russo-americanas, tal como, para tratar questões importantes da agenda internacional, buscando respostas eficazes aos desafios globais de segurança”, disse o Kremlin.

     

    Mais:

    Obama ordena envio de mais drones para a Síria
    Tags:
    eleições 2016, extremismo islâmico, guerra civil, extremismo, eleições, terrorismo, Kremlin, Donald Trump, Hillary Clinton, Vladimir Putin, América, Síria, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar