04:18 17 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Donald Trump, novo presidente dos EUA, 9 de novembro de 2016

    Eleição de Donald Trump preocupa Painel de Mudanças Climáticas da ONU

    © REUTERS / Andrew Kelly
    Américas
    URL curta
    Trump, presidente: a surpresa que abalou o mundo (70)
    1 0 0
    Nos siga no

    Republicano prometeu cancelar a adesão dos EUA aos Acordos de Paris. Autoridades internacionais dizem esperar colaboração do presidente eleito.

    A eleição de Trump pode impactar diretamente nos acordos para a luta contra mudanças climáticas firmadas pelos Estados Unidos durante o governo Barack Obama. A afirmação é do vice-presidente do grupo de trabalho do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), Carlo Carraro em entrevista à Agência Ansa.

    "Uma coisa é certa: não é de se esperar uma ação convicta como aquela de Barack Obama", disse Carraro. Ligado à Organização das Nações Unidas (ONU), o IPCC atua desde 1988 na divulgação de estudos sobre a mudança climática e propõe ações para reversão do aquecimento global e do efeito estufa.

    Durante a campanha, o agora Presidente Eleito Donald Trump atribuiu às regulações ambientais a causa da queda da indústria no país. Trump, que já chegou a afirmar que o aquecimento global era "uma invenção chinesa com objetivo de enfraquecer a economia americana", prometeu romper o Acordo do Clima de Paris, firmado no final de 2015 entre 195 países.

    Cúpula em Marrakech

    O resultado nos Estados Unidos acontece durante a 22ª Conferência das Partes (COP 22) sobre mudança do clima, que começou na última segunda (7) em Marrakech, no Marrocos. Na abertura do evento, o ministro de Relações Exteriores do Marrocos e presidente da COP 22, Salaheddine Mezouar destacou a necessidade de ação imediata com foco nos habitantes de áreas sensíveis a mudanças climáticas.

    Presente na Conferência, a ministra do Meio Ambiente da França, Ségolène Royal demonstrou confiança nos resultados alcançados pelo termo. "No momento em que vos falo, 103 países já ratificaram (o Acordo de Paris), representando 70% das emissões [de gases de efeito estufa]. Ele [Trump] não pode, ao contrário do que disse, renunciar ao acordo de Paris".

    ​O texto, que foi assinado durante a COP-21, entrou em vigor na última sexta-feira e prevê que os países que o ratificaram não poderão voltar atrás com seus compromissos durante quatro anos. Não existe, porém, nenhuma forma de sanção a quem descumprir as metas de redução fixadas no acordo.

    Tema:
    Trump, presidente: a surpresa que abalou o mundo (70)

    Mais:

    Donald Trump é eleito novo presidente dos Estados Unidos
    O chamado da Mãe Terra: Discursos mais marcantes dos líderes da América Latina na COP 21
    COP 21: Governos dos 195 países precisam mostrar compromisso com o acordo
    Tags:
    COP 22, COP 22, Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, Organização das Nações Unidas, COP 21, ONU, Salaheddine Mezouar, Ségolène Royal, Donald Trump, Barack Obama, Marrakech, Estados Unidos, Marrocos, França, Paris
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar