20:03 23 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Pentágono, sede do Departamento de Defesa dos EUA

    Opinião: que mudanças esperam OTAN e Pentágono durante presidência de Trump?

    © flickr.com/ Andrés Feliciano
    Américas
    URL curta
    Trump, presidente: a surpresa que abalou o mundo (70)
    962
    Nos siga no

    É pouco provável que a presidência de Donald Trump traga mudanças consideráveis para o Pentágono e a OTAN. Eis a opinião do analista político russo Aleksandr Khrolenko, entrevistado pela agência RIA Novosti.

    Levando em consideração o fato de que alterações em estratégia requerem bastante tempo, seria errado esperar grandes mudanças no financiamento e nos programas de desenvolvimento do Pentágono e da OTAN, pensa Khrolenko.

    No seu artigo intitulado "Como o Pentágono e a OTAN vão mudar durante a nova presidência dos EUA", o analista destaca que a governança do país não pode ser reduzida apenas a um homem.

    Nem sempre as promessas eleitorais dos presidenciáveis norte-americanos viram decisões governamentais, ressalta o analista, ao se referir às declarações anteriores de Trump sobre o fomento das relações entre Moscou e Washington.

    "Tendo em vista que o desenvolvimento das Forças Armadas e a implementação de estratégias são inseparáveis dos interesses econômicos do Estado, o Pentágono e a OTAN continuarão sendo as prioridades dos EUA. Apesar do forte desejo do 45º presidente dos EUA de efetuar mudanças, julgo que a estratégia militar nacional de confrontação com a Rússia não mudará", aponta Khrolenko.

    Pouso do caça americano F/A-18 Super Hornet a bordo do porta-aviões Ronald Reagan durante exercícios navais conjuntos dos EUA e Coreia do Sul, 28 de outubro de 2015
    © AFP 2019 / POOL / Kim Hong-Ji
    Pouso do caça americano F/A-18 Super Hornet a bordo do porta-aviões Ronald Reagan durante exercícios navais conjuntos dos EUA e Coreia do Sul, 28 de outubro de 2015

    O analista explica que melhorar as relações com a Rússia e, ao mesmo tempo, manter forças da OTAN ao longo das fronteiras russas, é algo que não é viável.

    "Washington continuará apoiando seus aliados da OTAN e aumentando volume de armas fornecidas para eles", acrescenta Khrolenko.

    Na opinião dele, os EUA seguirão reforçando sua presença no Oriente Médio e no Círculo do Pacífico, zona que possui grandes reservas de petróleo e gás, enquanto os planos de posicionar sistemas de defesa antimíssil na Coreia do Sul poderão causar graves conflitos com Pyongyang e China. Além disso, como informou a agência Kyodo citando o comandante das forças americanas no Japão, tenente-general Jerry Martinez, após a vitória de Trump não haverá quaisquer mudanças no deslocamento das tropas dos EUA nesse país.

    Khrolenko conclui que os interesses econômicos de Washington e sua estratégia de “contenção prolongada” não vão permitir a Trump realizar mudanças drásticas dos alicerces militares e políticos do poderio americano.

    Tema:
    Trump, presidente: a surpresa que abalou o mundo (70)

    Mais:

    Polícia prende manifestante anti-Trump em Washington
    Trump discursa para americanos e resto do mundo após vitória nas eleições
    Tags:
    promessas, forças, deslocamento, mudanças, estratégia, Kyodo, Pentágono, OTAN, Donald Trump, Círculo Pacífico, Pyongyang, Coreia do Sul, Oriente Médio, China, EUA, Japão, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar