14:28 06 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    221
    Nos siga no

    Thomas Graham, ex-assessor de George W. Bush, apela à próxima administração para que encontre um equilíbrio entre a cooperação e a concorrência nas relações russo-americanas.

    A próxima administração norte-americana deve deixar suas tentativas inúteis de isolar a Rússia e, em vez disso, considerar a cooperação nas áreas de interesse mútuo, comunicou Thomas Graham, ex-assessor do presidente George W. Bush e diretor sênior para os assuntos ligados à Rússia, em seu discurso no Instituto McCain.

    Graham também explicou que a Rússia vai continuar a ser uma grande potência, com um corpo diplomático de alto nível, forças militares convencionais e grandes recursos naturais, bem como seu enorme território e localização estratégica, que abraça toda a Eurásia.

    Além disso, Graham apontou que os EUA têm se beneficiado da cooperação com a Rússia em muitas áreas, inclusive a não proliferação, o combate ao terrorismo internacional e a queda do Talibã.

    "Não podemos conter ou isolar a Rússia, tanto mais que isto não é vantajoso para nós",  afirmou Graham na quinta-feira. "O desafio é encontrar um ponto de equilíbrio entre competição e cooperação."

    Isolar no palco internacional uma potência tão grande como a Rússia está além do possível para os EUA, mesmo com o apoio de seus aliados, adiantou Graham.
    Graham foi assessor de George W. Bush e também trabalhou na Embaixada dos EUA em Moscou, ocupando agora o cargo de diretor executivo da empresa Kissinger Associates.

    Mais:

    'Tentativa de isolar Rússia provocou efeito contrário'
    Bloomberg: EUA esgotaram possibilidades para introduzir sanções contra Rússia
    Rússia está pronta para 'Realpolitik' com os EUA após as eleições
    Tags:
    cooperação bilateral, relações diplomáticas, eleições nos EUA, Instituto McCain, Casa Branca, Thomas Graham, Eurásia, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar