13:36 17 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Eleições nos EUA (112)
    451
    Nos siga no

    Agora, o número de e-mails da campanha presidencial da democrata Hillary Clinton já publicados atingiu 19 mil. Nesta quarta-feira (19), o site do WikiLeaks publicou a 12ª parte do "dossiê Podesta" (#PodestaFiles). O título se refere a John Podesta, chefe de campanha de Hillary. A primeira parte foi publicada em 8 de outubro.

    Ontem, houve dois vazamentos. São e-mails do próprio John Podesta e de outros participantes da campanha: discussões entre autores dos discursos da presidenciável, relatórios de eventos e comícios realizados, anúncios e sugestões de novos eventos.

    Há coisas que podem parecer nocivas para a carreira política de Clinton. Por exemplo, uma sequência de e-mails que denuncia duas atitudes completamente diferentes da candidata, em privado e em público, sobre o gasoduto da Northeast Energy Direct (NED).

    Gasodutos

    Trata-se da reação da União Internacional de Operários da América do Norte (LIUNA), citada pela responsável pelos contatos com organizações de trabalhadores da campanha, Nikki Budzinsky.

    "Eu queria que a gente refletisse sobre a resposta que eu recebi do Conselho Comercial das Construtoras, especialmente LIUNA, depois da notícia de ontem informando que HRC [Hillary Rodham Clinton. — Redação] se opõe ao gasoduto da NED em Nova Hampshire. Eles estão muito irritados", informa Budzinsky. Irritados por quê? "Eles estão também preocupados que ela tenha optado por não fazer decisões sobre gasodutos, e agora parece que ela está sucumbindo à pressão e fazendo precisamente isso".

    A diretora do departamento esclarece: a resposta pública de Hillary foi pronunciada durante um evento de campanha, onde ela caiu em uma "emboscada", por isso, segundo ela, esta atitude "não é uma representação adequada da sua plataforma energética".

    Um trecho do e-mail enviado em 9 de fevereiro de 2016, intitulado 'Gasodutos, Energia e Construtoras'
    Um trecho do e-mail enviado em 9 de fevereiro de 2016, intitulado 'Gasodutos, Energia e Construtoras'

    É muita pressão na torneira!..
    © Sputnik / Vitaliy Podvitskiy
    Mídia

    A campanha presidencial é sempre uma guerra midiática. A de Hillary não podia ser diferente. O porta-voz dela, Adrienne K. Elrod, disse em uma mensagem de 27 de agosto de 2015 o seguinte:

    "Aqui, duas coisas estão acontecendo. A primeira: 'Hillary continua vencendo' é uma manchete entediante, por isso há a tendência de adotar um discurso forte para conseguir outra coisa. A segunda é que a imprensa como um todo não gosta muito de Hillary (e o sentimento é mútuo), o que dá a entender que o público está se sentindo da mesma maneira."

    Fragmento do e-mail datado de 27 de agosto de 2015 intitulado 'Vox: Nova enquete mostrando vitória de Clinton é mostrado como notícia ruim para Hillary'
    Fragmento do e-mail datado de 27 de agosto de 2015 intitulado 'Vox: Nova enquete mostrando vitória de Clinton é mostrado como notícia ruim para Hillary'

    WikiLeaks

    Mais cedo, foi informado que o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, pediu ao Equador para persuadir Julian Assange, o fundador do WikiLeaks, a não divulgar novos vazamentos sobre a presidenciável democrata. Julian Assange está agora na embaixada do Equador em Londres.

    Equador confirmou que o país bloqueou temporariamente o acesso à Internet de Julian Assange.

    Agora, a batalha principal é entre a democrata Clinton e o republicano Donald Trump, acusado pela campanha de Clinton de manter "laços com a Rússia". Veja o que os candidatos à presidência dos EUA falaram sobre o mundo.

    Tema:
    Eleições nos EUA (112)

    Mais:

    Vencedores do Nobel enviam carta aberta em apoio a Hillary Clinton
    Hillary: Rússia e China não são páreos para os EUA
    Esta torneira vaza demais para Hillary
    Hillary dispara à frente de Trump, indica pesquisa
    Tags:
    Eleições nos EUA, WikiLeaks, Julian Assange, John Podesta, Hillary Clinton, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar