00:31 19 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Candidato republicano à Presidência dos EUA, Donald Trump, durante o debate presidencial republicano organizado pela CNN, no The Venetian, em Las Vegas, Nevada. 15 de dezembro.

    Fãs de Donald Trump querem retirar lei que permite às mulheres votar

    © AFP 2018 / Robyn Beck
    Américas
    URL curta
    524

    Na quarta-feira (12), Nate Silver, estatístico americano, publicou na sua conta do Twitter um gráfico que mostra a divisão atual entre as escolhas dos eleitores masculinos e femininos para a eleição presidencial.

    ​Segundo informa o portal Buzzfeed, Silver pressupõe que se apenas votarem as mulheres vencerá Hillary Clinton, caso contrário, se só homens tiverem o direito de votar, Donald Trump seria o próximo presidente.

    Então como será possível ajudar o candidato que eles preferem? A solução é óbvia: é só impedir as mulheres de votarem. A esta conclusão chegaram os usuários do Twitter. Usando o hashtag #RepealThe19th (19 é o número da Emenda à Constituição dos EUA que atribui às mulheres o direito de votar), eles provocaram uma onda das discussões sobre assunto.

    Supreendentemente não foram apenas homens que apoiaram a proposta, uma mulher publicou o seguinte tweet: "Renunciaria ao meu direito de votar para que isto acontecesse."

    ​A proposta provocou uma onda de protestos entre as cidadãs americanas.

    "As mulheres lutaram pelo direito de votar e o ganharam. Você não pode refazer isso."

    ​"Oh, meu deus, agora eu estou de acordo com Hillary chamando os partidários de Trump de 'deploráveis', o que eles são, literalmente, postando #RepealThe19th," escreveu uma pessoa.

    ​Uma das usuárias do Twitter até postou um vídeo mostrando a todos que usam esse hashtag que ela vota mesmo.

    Mais:

    Casa Branca acusa Donald Trump de 'agressão sexual'
    Fim de Trump? Condelezza Rice também pede que republicano abandone candidatura
    Tags:
    corrida presidencial, Donald Trump, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik