17:13 19 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Ex-secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, defende-se de acusações sobre sua responsabilidade pelos ataques mortais na missão dos EUA na Líbia perante os Republicanos, na abertura de inquérito dos partidários de propaganda anti-Clinton, 23 de outubro de 2015

    WikiLeaks vaza 2º lote-bomba de e-mails da campanha de Hillary

    © AFP 2018/ SAUL LOEB
    Américas
    URL curta
    11230

    O WikiLeaks publicou nesta segunda-feira (10) o segundo lote de e-mails de John Podesta, o atual chefe de campanha da candidata democrata à presidência dos EUA, Hillary Clinton.

    Podesta trabalhou com Bill e Hillary Clinton de forma intermitente desde 1993. Ele foi chefe de gabinete da Casa Branca entre 1998 e 2001, durante a segunda parte do mandato presidencial de Bill Clinton, e entre janeiro de 2014 e fevereiro 2015 também foi assessor do atual presidente dos EUA, Barack Obama.

    ​Entre os 2.068 e-mails vazados hoje, o ex-presidente Bill Clinton ocupa um lugar de destaque, segundo afirmou o WikiLeaks em seu perfil no Twitter.

    De acordo com a organização, o lote abrange o período de setembro de 2007 a março de 2016. Usando o codinome de William Jefferson Clinton ou WJC, a correspondência eletrônica menciona os casos extraconjugais de Bill Clinton e como eles poderiam afetar a campanha presidencial de sua esposa.

    "Tive uma troca de e-mails com alguém da mídia esta manhã – alguém que você conheceria – e [essa pessoa] me contou que há pessoas em torno dos Clintons que dizem que a vida sexual de WJC poderia estar prejudicando-a", diz um e-mail recebido por Podesta em janeiro de 2016, assinado pelo blogueiro Brent Budowsky.

    Em outro e-mail, datado de dezembro de 2011, Doug Band, um advogado que ajudou a criar a Iniciativa Global Clinton, diz que a chefe de operações da Fundação Clinton, Laura Graham, estava com disposições "suicidas" devido "ao estresse de toda essa história com WJC" e o Clinton Valley Centre. O advogado diz ainda que a filha do casal, Chelsea, não se importa com o seu "papel" nos problemas do escritório.

    ​Na sexta-feira passada (7), o Wikileaks vazou mais de 2.000 e-mails de Podesta, os quais falavam sobre os interesses da Turquia no conflito sírio e o papel dos EUA na luta contra o grupo terrorista Daesh (Estado Islâmico), entre outros assuntos.

    Na terça-feira passada (4), o fundador do site, Julian Assange, anunciou em uma videoconferência transmitida em Berlim que o WikiLeaks publicaria um importante material que afetaria as eleições presidenciais dos EUA, agendada para 8 de novembro. De acordo com Assange, os documentos a serem publicados também envolvem governos de três países.

    Mais:

    Exclusivo: Fontes do WikiLeaks enfrentam graves acusações após ataques contra CIA e FBI
    WikiLeaks: 'Nova estratégia de Clinton é contra Moscou'
    Mosca pousa em Hillary Clinton e fica famosa nas redes sociais
    Trump pede prisão de Hillary Clinton, mas democrata ganha debate
    FBI divulgou relatório sobre e-mails de Hillary Clinton
    Tags:
    candidatos, sexo, eleições presidenciais, e-mails, campanha, eleições, WikiLeaks, WJC, John Podesta, Bill Clinton, Hillary Clinton, Julian Assange, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik