19:51 26 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    26822
    Nos siga no

    Acusando Moscou de lançar ciberataques contra organizações do Partido Democrata dos EUA, Washington está simplesmente procurando um pretexto para continuar sua "guerra econômica" contra a Rússia, escreve o site de notícias alemão Contra Magazin.

    No início desta semana, Cory Gardner, presidente da Subcomissão das Relações Exteriores do Senado dos EUA para a Ásia Oriental, Pacífico e Cibersegurança International, anunciou planos para introduzir uma lei que impõe sanções a cibercriminosos da Rússia.

    O Contra Magazin diz que os "sabujos incompetentes" dos serviços secretos desta vez não se preocuparam sequer em fornecer quaisquer provas relacionadas com alegados ciberataques russos. 

    De acordo com o Contra Magazin, os europeus serão forçados a apoiar o "jogo sujo" de Washington e enfrentar as consequências das novas sanções antirrussas que "causam muito mais danos à economia europeia do que à dos Estados Unidos".

    "Dos governos e parlamentos pró-americanos se espera que concordem com estas sanções 'sem sentido e sem fundamento'", disse o Contra Magazin.

    Ele acrescentou que "quem ainda acredita que a UE segue uma política independente está vivendo em um mundo de fantasia".

    Os políticos dos EUA e os relatos da mídia têm acusado Moscou de estar por trás das tentativas de ataques a bancos de dados dos eleitores em Illinois e no Arizona no final de junho e de violar e-mails do Partido Democrata em julho.

    O Kremlin chamou as alegações quanto a ciberataques de absurdas e sublinhou que a Rússia não tem nenhum desejo de interferir ou influenciar as eleições dos EUA. 

    No entanto, o porta-voz da Casa Branca Josh Earnest disse a repórteres na quinta-feira que os Estados Unidos não excluem a possibilidade de imposição de sanções à Rússia por causa da situação atual na Síria fora dos auspícios das Nações Unidas.

    Os Estados Unidos, a União Europeia e alguns dos seus aliados impuseram várias rodadas de sanções restritivas contra Moscou, visando sectores chave da economia russa, bem como um certo número de indivíduos e entidades. 

    As sanções foram impostas após a reunificação da Crimeia com a Rússia e do suposto envolvimento de Moscou no conflito na Ucrânia, que começou quando Kiev lançou uma operação militar na regiões orientais do país em abril de 2014. A Rússia tem repetidamente refutado as alegações.

    Mais:

    EUA aumentam pressão sobre China com pretexto de problema norte-coreano
    Casa Branca:'sanções se revelaram um instrumento útil para promoção dos nossos interesses'
    Tags:
    guerra de sanções, sanções, UE, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar